Sexta-feira, 15 de Novembro de 2019
Manaus

Construção em subestação da Eletrobras serve para o tráfico de drogas na Zona Oeste

Local abriga grupo que pratica venda e uso de drogas, segundo moradores. Eletrobras Amazonas Energia disse que tomará providências sobre construção. Secretaria de Segurança Pública já registrou ocorrências no local



1.jpg Local fica na área interna do sistema de energia
14/02/2015 às 13:35

A criminalidade no bairro Lírio do Vale 1, Zona Oeste, vem criando há quase dois anos uma “sede” para o tráfico de drogas em uma construção abandonada da subestação Ponta Negra, propriedade da Eletrobras Amazonas Energia. Segundo moradores, o local funciona como concentração de traficantes da área e é conhecido por ser ponto de venda para usuários.

A subestação divide os bairros Santo Agostinho e Lírio do Vale. O sistema de transmissão não possui trabalhadores e todas as atividades no ponto de controle funcionam automaticamente. O acesso ao terreno tomado por mato e lixo não é permitido, mas o grupo entra ilegalmente por meio da abertura feita no muro localizado nos fundos da subestação. Conforme contam moradores, o “entra e sai” no buraco é frenético em todos os horários.



Buraco em muro dá acesso à terreno da Eletrobas (Foto: Evandro Seixas)

Com medo de ameaças dos integrantes, uma mulher de 36 anos não se identificou à reportagem. A construção e a residência dela são divididas apenas por um muro e, conforme ela relata, o espaço é usado para a prática de vários crimes. “Isso é toda hora, de noite e de dia, mas. Eles quebraram o muro e até adolescente entra aí pra fazer besteira e vender droga. Eles vendem tudo, trouxinha, cocaína, maconha. O medo é constante”, contou.

Polícia não entra

No dia em que a reportagem visitou o local, a construção aparentava estar vazia e sem movimentação de pessoas. O motivo, segundo os próprios moradores, seria o fato de uma viatura do Ronda no Bairro ter ido até o terreno para abordar o grupo frequentador. A operação, segundo eles, resultou num tiroteio, mas ninguém foi preso após boa parte do bando ter fugido pela vizinhança. Uma comerciante relatou sobre o terror vivido.

“Ainda era 12h. Foi uns quatro tiros. É um perigo esse local, mas muita gente já se acostumou com isso. Quem sou eu pra julgar? Mas não posso negar que tenho medo de algo pior acontecer”, disse.

O medo também é repassado para a própria polícia. Na ocasião, populares contaram que até PMs sentem receio de abordar os usuários na “sede”. “Todo mundo daqui sabe e muita gente de fora vem pra comprar droga ali. A polícia sabe disso, pois passa viatura aqui, mas nem eles tem coragem de entrar aí de noite. É o pior horário. Eles foram embora hoje, mas daqui a três dias vão estar todos aí de novo”, disse uma dona de casa.

Providências

Por meio de nota, a concessionária Eletrobras Amazonas Energia informou que irá tomar todas as providências necessárias sobre o muro, que deve ser reerguido “o mais breve possível”. Conforme o órgão, a distribuidora já reformou o muro diversas vezes, porém os invasores voltaram a depredar o referido local. A empresa não forneceu informações sobre possíveis ações a serem tomadas, nem sobre a data da reforma ou demolição da construção.

A Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM) informou que apreendeu droga durante abordagem realizada nesta semana no local. Segundo o órgão, o material estava sob a posse de menores de idade, que fugiram do terreno.



Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.