Publicidade
Manaus
Manaus

Contagem regressiva: Artur Neto tem apenas 10 dias para cumprir promessas feitas à Manaus

Prefeito garantiu que nos primeiros cem dias daria prioridade à obras de recuperação de ruas, tapa-buracos, iluminação pública e ordenação do trânsito 01/04/2013 às 06:47
Show 1
Prefeito Artur Neto enfrentou diversos problemas com rompimento de adutora em três meses de mandato
KLEITON RENZO ---

A partir desta segunda-feira (01) inicia a contagem regressiva de 10 dias para o fim do prazo proposto a si mesmo pelo prefeito de Manaus Artur Neto (PSDB) para “colocar ordem na cidade”, no “Programa dos Cem Dias”. Em seu primeiro dia de governo o prefeito tucano garantiu que nos primeiros cem dias daria prioridade à obras de recuperação de ruas, tapa-buracos, iluminação pública e ordenação do trânsito.

Para garantir o feito um mês antes do início dos trabalhos o tucano convocou em sessão extraordinária os vereadores da Câmara Municipal de Manaus (CMM) e garantiu emenda à Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2013, que aumentou de 25% para 40% o porcentual de remanejamento do orçamento da prefeitura, estimado em R$ 3,5 bilhões

“Existem intervenções na infraestrutura da cidade que só o orçamento municipal não garante as obras. Portanto, precisamos de mais tempos para buscar apoios em financiamentos no Brasil e fora do País para que nossos propósitos sejam cumpridos. Esse processo de captação foi iniciado desde o primeiro dia do mandato do prefeito”, defendeu o vice-líder de Artur, vereador Ednailson Rozenha (PSDB).

Com a folga de possuir pelo menos 30 aliados entre os 41 vereadores, o prefeito conseguiu no início do ano a aprovação de uma Lei Delegada que conferiu a ele plenos poderes para promover a reforma administrativa no secretariado herdado do ex-prefeito Amazonino Mendes (PDT). Com o secretaria determinado o tucano baixou um pacote de austeridade, cobrando das secretarias que economizassem pelo menos 15% do orçamento destinado a elas.

Com os apertos feitos nos orçamentos no início do ano, o prefeito teve 55% do orçamento livre para realizar as obras nos primeiros três meses. Na ponta do lápis o montante gira em torno de R$ 1,9 bilhão.

“O secretário de Saúde (Evandro Melo) disse que pra gente (vereadores) que precisamos fazer campanha para a saúde. Que a situação não está boa. Eu te aponto esse argumento pra gente dizer que não da pra comemorar esses cem dias. Vamos ver os próximos”, rebateu o líder da oposição, vereador Waldemir José (PT).

Publicidade
Publicidade