Publicidade
Manaus
VIOLÊNCIA

Corpo de policial estava enterrado há quatro dias, diz comandante geral da PM

Paulo Sergio Portilho, 34, não apresentava sinais aparentes de tiro pelo corpo. Ele estava desaparecido desde a última sexta-feira (26) e foi encontrado enterrado na invasão chamada Buritizal Verde, no bairro Nova Cidade 30/05/2017 às 20:29 - Atualizado em 30/05/2017 às 20:41
Show pm 123
Área da invasão chamada Buritizal Verde onde foi encontrado o corpo do PM. Foto: Jander Robson
Fábio Oliveira e Rafael Seixas Manaus (AM)

O corpo do policial militar Paulo Sergio Portilho, 34, foi encontrado na tarde desta terça-feira (30) por uma cadela do canil da PM. O cadáver não apresentava aparentemente sinais de tiro e estava enterrado em uma área da invasão chamada Buritizal Verde, no bairro Nova Cidade, na Zona Norte de Manaus.  

De acordo com o comandante geral da PM, David Brandão, após a possível localização de onde estaria o corpo, policiais ajudaram a cavar com pás e  com uma retroescavadeira o local.

“O sistema de segurança atuou como um todo, como um corpo, como deve ser. Uma cadela que localizou o local e alguns policiais já tinham trabalhado na escavação com uma retroescavadeira. Foi encontrado infelizmente o corpo do soldado Paulo Portilho. Agora vamos fazer os procedimentos legais. A nossa Polícia Civil e Judiciária estão trabalhando nisso. A PM está dando todo o suporte necessário para a família, por meio da Diretoria de Promoção Social. Vamos tratar de um velório digno para o nosso guerreiro e soldado”, declarou.


David Brandão não medirá esforços para encontrar os culpados pela morte do PM. Foto: Arquivo AC

Brandão explicou que o corpo estava enterrado há pelo menos quatro dias e que não apresentava visivelmente nenhuma perfuração de tiro. “Nenhuma parte estava suprimida, nada foi cortado, o corpo estava inteiro, com algumas marcas de violência. Aparentemente não tinha marca de tiro, mas isso a perícia que de fato vai determinar se foi arma branca”.

Horas depois vários casebres de madeira pegaram fogo na invasão onde, horas antes, foi encontrado o corpo do policial militar Paulo Sergio Portilho.  Moradores acusaram os policiais de terem ateado fogo nas casas como uma represália pela morte do policial, que estava desaparecido desde a última sexta-feira (26) e foi encontrado enterrado no local.

Publicidade
Publicidade