Publicidade
Manaus
Manaus

Corrente é retirada de portão do complexo de exames veiculares do Detran-AM, em Manaus

Os portões do complexo, onde são realizados os exames veiculares, haviam sido fechados, com corrente e cadeado, pelo consultor imobiliário João Henrique, que disputa a posse do terreno na Justiça 05/01/2015 às 08:58
Show 1
Corrente e faixas foram retiradas do Complexo do Detran-AM, que está funcionando normalmente nesta segunda-feira (5)
Luana Carvalho Manaus (AM)

Nem os cadeados e faixas que o consultor imobiliário João Gomes Henrique, 62, colocou nos portões do no Complexo de Exames de Direção Veicular (CEDV) do Departamento Estadual de Trânsito do Amazonas (Detran-AM), impediram as atividades no local. Na manhã desta segunda-feira, 5, os exames e treinamentos aconteciam normalmente. Os portões do CEDV, que fica localizado no bairro Santa Etelvina, Zona Norte,  haviam sido fechados com corrente e cadeado por João Gomes Henrique no último domingo.

 João, que disputa na Justiça a posse do terreno onde o CEDV foi construído, colocou a corrente e um cadeado em um dos portões do complexo no último domingo, e também afixou cartazes com os dizeres “Detran invasor” e “Área particular". Ele alega que o Estado construiu o complexo em uma área de propriedade dele. O caso ainda não foi julgado pela Justiça.

De acordo com o instrutor Rosivaldo Vieira, às 7h já haviam retirado as faixas. "Eu fiquei sabendo dessa história mas fui um dos que chegaram bem cedo aqui e não vi mais nada disso. Está tudo acontecendo normalmente", contou. A universitária Camila Santos, 19, praticamente "madrugou" no Detran, e não encontrou dificuldades para entrar. "Vim às 6h porque moro um pouco longe e minha prova é às 8h. Não tive dificuldades para entrar, foi tudo tranquilo".

Os exames iniciaram às 8h, mas antes disso vários candidatos treinaram no CEDV.

DISPUTA

João afirma ter toda a documentação que prova que o Detran-AM construiu o complexo sabendo que o terreno era particular e, ainda, que ele luta na Justiça para ter o terreno de volta. Ele alega que possui título definitivo e toda a documentação completa, e ainda paga o Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU) da área todos os anos.

Procurado pela reportagem, o Departamento Estadual de Trânsito do Amazonas (Detran-AM) informou que deve se manifestar oficialmente após o processo ser julgado, e que as aulas no complexo não serão afetadas.

Publicidade
Publicidade