Publicidade
Manaus
APONTA SERVIÇO DE HIDROLOGIA

Cota do Rio Negro está a 2,92 metros da cheia registrada em 2012, a maior da história

Segundo chefe do Serviço de Hidrologia do Porto, Valderino Pereira, cota registrada ontem alcançou 27,75 metros, apenas, 2,92 metros a menos que a de 2012, quando o rio chegou a 29,97 28/03/2017 às 09:46
Show rio negro
Cota do rio chegou a 27,05 ontem (Foto: Euzivaldo Queiroz)
Isabelle Valois Manaus (AM)

Com o alcance de 27,05 metros ontem, o rio Negro chegou a 14 centímetros da cota máxima registrada no ano de 2016, quando o volume das águas chegou aos 27,19 metros no dia 15 de junho. Com esses dados divulgados ontem, o chefe do Serviço de Hidrologia do Porto de Manaus, Valderino Pereira, prevê uma enchente grande para este ano.

“Talvez o rio Negro não ultrapasse a cota máxima, mas é possível que fique bem próximo. Diariamente o rio tem subindo uma média de 4 e 5 centímetros. Com a cota de 27,05 metros estamos a 2,92 metros da maior enchente registrada no dia 29 de maio de 2012, quando o rio chegou aos 29,97 metros. Por enquanto podemos afirmar, esta cheia será maior a de 2016. Ainda nesta semana o rio ultrapassará a cota máxima de 2016”, detalhou.

Durante este último final de semana e mais esta segunda-feira, o rio Negro subiu 17 centímetros. De sexta para sábado o rio subiu 6 centímetros, de sábado para domingo mais 6 centímetros e de domingo para segunda-feira o rio subiu mais 5 centímetros. No dia 27 de março do ano passado, o rio Negro subiu 8 centímetros e atingiu a cota de 22,91 metros. Em 2012, ano da maior cheia, na mesma data o rio Negro subiu 3 centímetros e atingiu a cota de 27, 51 metros, uma diferença de 46 centímetros.

Alerta

Nesta sexta-feira (31) o Serviço Geológico do Brasil (CPRM) irá divulgar o primeiro alerta de cheia para 2017. “Os últimos dados estão sendo fechados para serem divulgados ainda nesta semana”, garantiu a engenheira ambiental do CPRM, Luna Gripp.

Na última sexta-feira, o CPRM divulgou o 12º boletim de monitoramento hidrológico. Conforme o relatório, a bacia do Solimões segue em processo crítico de enchente em todas as estações monitoradas, com valores próximos aos observados nos anos em que ocorreram as respectivas máximas.

Na bacia do Amazonas, o boletim indicou também um processo de enchente com níveis elevados em relação à média. Em Parintins, de acordo com o CPRM, o rio Amazonas está 36 centímetros abaixo do registrado para mesma data em 2009, quando houve a cheia histórica.

Interior

Na bacia do Purus, o CPRM afirma que os rios monitorados em pico de cheia estão com níveis dentro do esperado para a época. A bacia do Branco, o rio encontra-se no fim do período de vazante, com níveis próximos aos esperados para a época. Na bacia do Madeira, em Humaitá, o rio apresenta precesso regular de enchente, semelhante ao ocorrido em 2016.

No caso do rio Negro, o monitoramento reforça a avaliação do chefe do Serviço de Hidrologia do Porto de Manaus.

O boletim afirma que o rio segue em processo de enchente, apresentando valores acima dos observados na mesma data, nos anos em que ocorreram as respectivas máximas, nas estações de São Gabriel da Cachoeira, Tapuruquara, Barcelo e Moura. O boletim reforça a diferença de centímetros registrados no ano da cheia histórica.

Publicidade
Publicidade