Publicidade
Manaus
SAÚDE

Crianças correspondem 90% dos diagnósticos de coqueluche no Amazonas

Segundo dados da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS), de janeiro a setembro do ano passado foram notificados 104 e 58 destes foram confirmados 06/10/2017 às 10:02 - Atualizado em 06/10/2017 às 11:40
Show 1279595
Luana Rodrigues levou a filha, Yanna, para receber a imunização contra coqueluche e outras doenças aos dois meses de vida (Foto: Winnetou Almeida)
Álik Menezes Manaus (AM)

Apesar da redução no número de casos de Coqueluche nos últimos nove meses no Amazonas, mais de 90% dos casos notificados no Estado são em crianças e demanda atenção, segundo especialistas.

Segundo dados da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS), de janeiro a setembro do ano passado foram notificados 104 e 58 destes foram confirmados. No mesmo período desse ano, foram notificados 48 casos, sendo que 16 foram confirmados, uma redução de cerca de 53% em casos notificados.

Os mais acometidos pela doença são crianças menores de um ano de idade devido a baixa imunidade. Diante disso, pais devem levar os filhos para serem vacinados ainda nos primeiros meses de vida. A dona de casa Luana Rodrigues da Silva, 25, contou que levou a filha, a pequena Yanna Rodrigues de Souza, de 5 meses, para ser vacinada quando ela tinha apenas 2 meses de vida.

“É muito importante porque ela é tão novinha. A médica dela me falou sobre os riscos, sobre os sintomas e orientou a procurar uma Unidade Básica de Saúde para vacinar a Yanna. Desde desse dia ela não perde uma vacina, estou sempre de olho no cartão de vacina e venho no dia marcado para que ela tome todas as vacinas que deve tomar”, disse.

A médica e diretora da Clínica Vacinar, Amanda Alecrim, afirmou que as crianças recém nascidas são as mais afetadas pela doença. Apesar de ser uma doença que pode acometer pessoas de todas faixas etárias, a especialista afirmou que as crianças sofrem mais porque os sintomas se agravam, podem até levar à internação e a morte. “Nos adultos, a Coqueluche, na maioria das vezes, é uma doença que não leva a graves complicações”, disse.

De acordo com a médica, a maneira mais eficiente de prevenir é a imunização por meio da vacina dtpa, que além de proteger contra Coqueluche também imuniza contra o Tetáno e a Difteria. Em crianças, a vacina pode ser aplicada a partir dos dois meses de idade, mas a imunidade só comerá entre os 6 e quinze meses de idade. “É muito importante lembrar que esta vacina precisa de reforços, inclusive na vida adulta”, orientou.

A especialista alertou, ainda, que os principais transmissores da doença às crianças estão na família e destacou a importância de todos estarem vacinados. “É importante que as mães, pais, avós, irmãos e cuidadores do recém nascido estejam com a imunização em dia, não podemos deixar que as crianças sejam infectadas por falta de atenção dos adultos”.

A Coqueluche é uma doença infecciosa e transmissível e é causada pela bactéria ‘Bordatella pertussis’, que acomete o sistema respiratório. Conforme especialistas, a doença tem três fases.

Número de casos caiu no Estado

Segundo dados da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS), nos últimos três anos houve redução no número de casos no Amazonas. O diretor-presidente da FVS, Bernardino Albuquerque, atribuiu a redução às campanhas de vacinação.

“A principal causa da redução é a imunização do público alvo, principalmente, com a implantação da vacina DTPa para grávidas, a partir da vigésima semana e a vacina pentavalente para menores de cinco anos, ambas oferecidas gratuitamente em todas as unidades de saúde na capital e no interior”, disse.

Conforme dados da FVS, em 2014 foram notificados no Amazonas 164 casos de coqueluche, destes 67 confirmados. Em 2015 o Estado notificou 255 casos, sendo 111 confirmados.

Postos de vacinação

A Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) informou que imunização faz parte do calendário básico vacinal para crianças a partir de 2 meses e está disponível em todas as salas de vacinas das Unidades Básicas de Saúde (UBS) da capital amazonense.

Publicidade
Publicidade