Publicidade
Manaus
ARMADOS

Criminosos de Manaus estão comprando fuzis da Colômbia para praticar crimes

Na Zona Sul da cidade, membros da Família do Norte têm entrado em confronto e fuzis de guerra têm sido um dos armamentos usados para execuções 22/06/2017 às 09:43 - Atualizado em 22/06/2017 às 09:43
Show 1215565
Série de mortes na zona Sul, como o triplo homicídio de março no Morro, são resultado da compra de armas na Colômbia (Foto: Gilson Mello)
Fábio Oliveira Manaus (AM)

Nos últimos cinco dias criminosos envolvidos com o tráfico de drogas na Zona Sul de Manaus foram vistos armados com fuzil de guerra. No último domingo (18), Matheus Araújo, o ‘Loirinho’, foi executado, no bairro Raiz, com calibre 556, o mesmo usado em armamentos dos Exércitos brasileiro, colombiano e Polícia Civil. O Departamento de Repreensão ao Crime Organizado (DRCO) não descarta a hipótese de que o fuzil possa pertencer aos rebeldes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia – FARC.

De acordo com o delegado Guilherme Torres, diretor do DRCO, muitos guerrilheiros que não aceitaram o acordo de paz com o governo colombiano são os responsáveis por vender os armamentos para traficantes na fronteira da Colômbia, Paraguai e até para os Estados Unidos. As armas deveriam ser entregues para o governo até o fim de julho deste ano. “Temos um problema na fronteira. Esse fuzil aparentemente pode ser das FARC. Os farqueanos que não aderiram ao acordo ficaram com o armamento que deve ser vendido ou escoado”, explicou.

Traficantes que descem o rio Japurá com objetivo de entregar drogas no interior do Amazonas sempre fazem a segurança dos entorpecentes com fuzis de guerra. Os mesmos chegam às comunidades do Estado e, às vezes, são vendidos para gerentes do tráfico. “Normalmente a droga vem com fuzil. O armamento não vem pro Amazonas como carregamento. É algo esporádico, pode surgir um fuzil ou outro”, disse o delegado ao revelar que o armamento custa aproximadamente R$ 30 mil.

Na Zona Sul da cidade, soldados da Família do Norte têm entrado em confronto e fuzis de guerra têm sido um dos armamentos usados para execuções. As armas usadas em homicídios são recolhidas e normalmente são entregues para uma pessoa que fica responsável pelo armazenamento.

O fuzil calibre 556 tem potência de transfixar (perfurar) um corpo humano e até veículos. “O fuzil transfixa. É muito forte e a ponta é fina. Transfixa em veículo, menos em blindado”, afirmou Torres, ao pontuar que o disparo no corpo humano pode retalhar completamente o membro atingido.

O armamento tem capacidade para 25 ou 30 munições, dependendo do modelo e também é vendido no mercado no negro. Todos os fuzis apreendidos na cidade de Manaus e também em municípios do Estado são de origem colombiana.

Na noite do último domingo (18), moradores do bairro Morro da Liberdade flagraram criminosos com um fuzil nas mãos correndo próximo à ponte da rua Maués. O anoitecer foi marcado por várias trocas de tiros no bairro e adjacências. O delegado Guilherme afirmou que o DRCO tem trabalhado no combate ao tráfico e ao desarmamento de criminosos. “Todos os fuzis que apreendemos são de origem colombiana”, disse.

Desarmamento marcado

As FARC tem até o final do mês de julho para entregar todo o armamento. O acordo de paz com o governo colombiano tem gerado conflitos, pois muitos guerrilheiros não concordaram. Segundo o delegado, a organização possui cerca de 8 mil rebeldes e muitos não entregaram os fuzis de guerra.

Publicidade
Publicidade