Publicidade
Manaus
ELEIÇÕES 2018

David Almeida perde 50% de tempo na rádio e TV após saída do PT de coligação

A perda equivale a 3 minutos e 5 segundos de propaganda eleitoral e 8 minutos e 55 segundos de inserções diárias na grade de programação. Coligação Renova Amazonas recorre de decisão judicial 24/08/2018 às 17:58 - Atualizado em 24/08/2018 às 18:08
Show david df712cbb 5623 4152 8938 58b905c2df9e
Foto: Reprodução/Internet
Larissa Cavalcante Manaus (AM)

Com a saída do Partido dos Trabalhadores (PT) por decisão judicial, a Coligação Renova Amazonas, do candidato ao governo David Almeida (PSB), perde metade do tempo de propaganda eleitoral gratuita no rádio e na televisão que inicia na próxima sexta-feira (31).

A perda equivale a 3 minutos e 5 segundos de propaganda eleitoral e 8 minutos e 55 segundos de inserções diárias na grade de programação. Sem o PT, o tempo de propaganda da Coligação Renova Amazonas, que reúne as siglas Avante, Podemos, PMN, PEN, será de 2 minutos e 2 segundos  e com inserções de 6 minutos e 3 segundos, de acordo com o analista político Afrânio Soares.

“O tempo do  PT é importante. A briga no sentido de compor as coligações é fundamentada  no tempo de propaganda. Por exemplo, o PSD do senador Omar puxou para si o PSDB que tem o terceiro maior tempo. Já o governador Amazonino compôs com os outros partidos satélites, inclusive o PT, PR, PTB que são, respectivamente, o quarto, sexto, sétimo partidos na distribuição do tempo”, declarou Afrânio.

O ganho da Coligação “O Povo Feliz de Novo” da senadora Vanessa Graziottin (PCdoB) é significativo, na avaliação de Afrânio Soares, a chapa saltou  para, aproximadamente, 10 minutos para inserções e um pouco mais de 3 minutos e 30 segundos para propaganda. Sozinho o PCdoB detém apenas 30 segundos para campanha na TV e no rádio.

Recurso

A assessoria jurídica da Coligação Renova Amazonas informou que ingressou nesta sexta-feira no Tribunal Regional Eleitoral do Estado (TRE-AM) com um “Agravo Regimental” para questionar a decisão monocrática do juiz Marco Antônio Pinto da Costa que acatou pedido do Diretório Nacional do PT e determinou a exclusão do Partido dos Trabalhadores da coligação.

“A coligação entende que não fez nada errado, inclusive, o diretório estadual do PT cumpriu a resolução do PT nacional. Possivelmente, poderemos entrar no Tribunal Superior Eleitoral para resguardar o direito do tempo de TV da coligação. Não concordamos com a decisão monocrática do magistrado e vamos aguardar a manifestação do relator para que seja julgado pelo pleno”, afirmou o advogado Christian Antony.

A decisão do juiz contraria o parecer do Ministério Público Eleitoral que se manifestou pela permanência do PT na Coligação Renova Amazonas.

Antes da decisão do juiz Marco Antonio, o imbróglio entre o PCdoB e o PSB na disputa pelo apoio do PT nas eleições gerais de 2018 resultou na troca de impugnações entre as coligações Renova Amazonas e O Povo Feliz de Novo no TRE-AM.

A briga entre a direção nacional e a estadual do PT tem como motivo a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB). O PT nacional queria que a candidatura à reeleição da comunista integrasse a coligação de David, mas o nome dela não foi aceito pelo grupo do candidato. Sem acordo, a presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann, entrou com uma petição na Justiça Eleitoral do Amazonas para desfazer a aliança com o PSB.

‘O PSB recorrendo ao TRE o processo vai para o pleno’, diz especialista

Na avaliação do especialista em direito eleitoral, Elso do Carmo, esse imbróglio na esquerda deve prosseguir e ocasiona uma desmobilização na militância e nos cargos proporcionais, deputados estaduais e federais.

“O PSB recorrendo ao TRE-AM o processo vai para julgamento do pleno. Se o pleno do tribunal reforçar a decisão do juiz Marco Antonio, o PT todo saí da coligação. Não tem como o PT coligar com a Vanessa para cargos majoritários e com o David Almeida para proporcional. Isso não tem amparo jurídico”, disse o advogado.

Segundo o advogado, os prazos da Justiça Eleitoral são muitos curtos e avalia que o impasse será resolvido antes do dia 31, início da propaganda eleitoral no rádio e na TV.

Publicidade
Publicidade