Publicidade
Manaus
AJUDA HUMANITÁRIA

Defesa Civil começa a enviar 900 toneladas de alimentos a cidades afetadas pela cheia

Nesta segunda etapa de atendimento, treze municípios serão atendidos. Anamã, a 168 quilômetros de Manaus, é a que enfrenta a situação mais crítica 19/05/2017 às 12:07
Show 04
Anamã já está quase 100% sob as águas (Foto: Defesa Civil)
Isabelle Valois Manaus (AM)

A segunda fase de atendimento aos municípios afetados pela enchente foi lançada na manhã desta sexta-feira (19), pela Defesa Civil do Amazonas. Nesta etapa serão enviadas 900 toneladas de ajuda humanitária aos municípios que estão em situação de emergência. Do total de 23 municípios que estão em situação de emergência, 13 serão atendidos nesta etapa.

Até esta quinta-feira, eram 21 municípios em situação de emergência. Hoje mais dois estão no mesmo estágio: Tefé e São Paulo de Olivença (a 525 e 988 quilômetros respectivamente distantes de Manaus). Sendo assim, são pelo menos 46.070 famílias afetadas com a cheia deste ano nas 23 cidades.

Durante a primeira leva de ajuda humanitária, cinco municípios foram atendidos. Nesta segunda etapa, mais três irão receber o atendimento. Destes, Anamã (a 168 quilômetros de Manaus) é considerado pela Defesa Civil o mais crítico, pois está quase 100% embaixo d’água. 

“Os primeiros municípios a receberem a ajuda foram os localizados na calha do Juruá, e dessa vez estamos atendendo as calhas do Solimões e do Purus. Queremos deixar claro a população que iremos como todos os anos, passar por essa situação de emergência juntos e estamos ajudando com as necessidades primárias, com a doação de gêneros alimentícios, medicamentos e água potável”, informou o secretário executivo da Defesa Civil, Fernando Pires Junior.

Além da cesta básica, a ajuda humanitária também conta com kits de dormitório (lençol, mosquiteiro e rede), água potável, kits de medicamentos, hipoclorito de sódio, colchão, kits de higiene pessoal e fraldas. Essa ajuda humanitária é custeada pelo Governo do Estado e também pelo Governo Federal. “Estamos monitorando todas as calhas durante 24 horas, no caso da calha do Juruá estamos em processo final de enchente. Dos oito municípios pertencentes a essa calha, seis foram afetados e todos eles foram atendidos na primeira fase,dE assim como também dos municípios da calha do Purus”, disse o secretário.

Conforme Pires, a Defesa Civil agora está acompanhando com mais atenção os municípios da calha do Solimões. “A calha chegou ao pico de enchente e esse pico deve começar a baixar. Nosso olhar agora é voltado para o baixo Solimões e para a calha do Amazonas que irá receber essas águas que estão vindo tanto da calha do Juruá como da calha do Solimões irão escoar para a calha do Amazonas e iremos acompanhar e monitorar esse processo”, informou.

Publicidade
Publicidade