Sexta-feira, 19 de Abril de 2019
publicidade
defesa_civil_6CDF2753-F53C-42BD-B463-C61CA8EE70A3.JPG
publicidade
publicidade

MEDIDA

Defesa Civil inicia segunda etapa da Operação Cheia 2019 pelo bairro da Betânia

Objetivo é identificar as famílias das áreas passíveis de inundação/alagação e atualizar o banco de dados do “SOS Enchente”


09/04/2019 às 12:22

As áreas de risco do bairro Betânia, na Zona Sul, foram as primeiras a receber as ações, nesta manhã, da segunda etapa da Operação Cheia 2019, que consiste na identificação das famílias residentes nas áreas passíveis de inundação/alagação para a atualização do banco de dados do “SOS Enchente”.

As ações da Operação Cheia 2019 tiveram início, ainda no mês de janeiro, com medidas de planejamento e as vistorias de monitoramento dos bairros passíveis de alagação/inundação, por conta do fenômeno. De acordo com o Departamento de Operação da Defesa Civil Municipal, outros 14 bairros integram o monitoramento que está sendo realizado: Tarumã, Mauazinho, São Jorge, Educandos, Raiz, Presidente Vargas, Colônia Antônio Aleixo, Aparecida, Centro, Santo Antônio, Cachoeirinha, Glória, Compensa e Puraquequara.

De acordo com a secretária municipal da Mulher, Assistência Social e Cidadania (Semasc), Conceição Sampaio, nesta terça-feira a visita envolve os bairros Betânia e São Jorge (este último na Zona Oeste da cidade).

“Estamos entrando nas casas, conversando com as famílias e fazendo o cadastro delas. Caso  tenhamos a subida das águas atingindo acima de 29 metros, aí sim, com a decretação de Emergência pelo prefeito Artur Neto, passaremos a fazer toda a assistência para elas, com o Auxílio-Aluguel, por exemplo, a questão dos alimentos e os benefícios sócio-assistenciais. Nestes próximos sete dias estaremos visitando todas essas áreas da cidade de Manaus e atingindo mais de 2.500 famílias, número que pode aumentar ou diminuir. Mas teremos um diagnóstico preciso no final desta semana”, disse a titular da Semasc.

Para moradores de área de risco como o casal Beatriz Alfaia de Souza, 26, dona de casa, e Marcos de Paulo Rodrigues de Lucena, 22, a vinda do poder público ao local é a esperança de dias melhores. Ambos residem na rua do Aterro, na própria Betânia, uma área de alagados e onde a locomoção só é feita a partir de pisos de tábuas de madeira desgastadas construídas sobre o igarapé.

“Morar aqui é complicado, e só estamos neste local por necessidade”, disse ela, que a exemplo do marido, é evangélica de uma congregação da própria área.  “Nossa situação é complicada, irmão. Não temos emprego e vivemos da obra de Deus; Ele nos abençoa”, conta ele, que já sofreu acidentes. “Já caí aqui uma vez, por causa desse piso de madeira. Mas não me feri. Graças a Deus”, sorri ele, tentando manter a esperança.

Além da Defesa Civil Municipal, as secretarias municipais de Infraestrutura (Seminf), de Meio Ambiente (Semmas), Saúde (Semsa), Educação (Semed), Limpeza Urbana (Semulsp), Agricultura, Abastecimento, Centro e Comércio Informal (Semacc) e o Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização de Trânsito (Manaustrans), a Guarda Municipal e a Polícia Ambiental do Amazonas participam da ação.

publicidade
publicidade
Justiça do AM determina suspensão de greve dos professores prevista para segunda (15)
Cosama inicia recadastramento de clientes em seis municípios do Amazonas
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.