Publicidade
Manaus
RECURSO

Defesa de José Melo e Edilene entra com pedido de liberdade para o casal no TRF1

Advogado disse que aguarda uma decisão do órgão em até cinco dias. Em caso de negativa, ele deve recorrer ao Superior Tribunal de Justiça 08/01/2018 às 11:44 - Atualizado em 08/01/2018 às 11:57
Show capa portal
(Foto: Winnetou Almeida)
Geizyara Brandão Manaus

A defesa do ex-governador e da ex-primeira-dama, José Melo e Edilene Oliveira, afirmou que protocolou na manhã desta segunda-feira (08) um pedido de habeas corpus no Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), em Brasília para que o casal, preso na última quinta-feira, fique em liberdade. 

O advogado José Carlos Cavalcanti Júnior, enfatizou que não iria informar o argumento que foi utilizado para dar entrada no recurso e espera que a decisão saia no prazo de cinco dias. “Não vou mencionar até que a gente tenha alguma decisão. [...] Isso demora, no mínimo, cinco dias”, disse.  No ato da prisão do casal, o advogado já havia defendido que a liberdades deles "não causaria riscos" à investigação federal.  Em caso de negativa do TRF1, um novo recurso deve ser feito, desta vez ao Superior Tribunal de Justiça (STJ). 

A ex-primeira dama foi presa no último dia 04 e Melo, que retornou à cadeia no dia 31, teve a prisão temporária convertida em preventiva. O casal foi acusado de liderar o esquema de desvio de verbas da Saúde do Estado desarticulado pela Polícia Federal em setembro de 2016, na primeira fase da Operação Maus Caminhos. Naquela ocasião, o principal alvo da operação foi o médico e empresário Mouhamad Moustafa e a empresa dele, o Instituto Novos Caminhos (INC).

De acordo com a decisão da juíza Jaiza Fraxe, Melo e Edilene eram os líderes do esquema descoberto em 2016."(...)  há fortes indícios de que ambos foram os líderes ativos de todas essas infrações penais que geraram o rombo nos cofres da saúde do Estado do Amazonas, mediante a utilização de verbas federais em proveito próprio, especialmente para a reforma da mansão recém adquirida", destaca a juíza. 

Publicidade
Publicidade