Domingo, 15 de Setembro de 2019
MAUS CAMINHOS

Defesa de José Melo quer que ele seja liberado já nesta quinta-feira (4)

Para advogado, manutenção da prisão após a 0h do dia 4 torna a prisão ilegal, visto que o primeiro dia de prisão temporária foi dia 26



show_jos__melo.JPG Foto: Arquivo/AC
03/01/2018 às 22:28

A prisão do ex-governador José Melo vai se tornar ilegal a partir de 0h desta quinta-feira (4), segundo o advogado de defesa dele, José Carlos Cavalcanti Junior.

De acordo com o advogado, o despacho que decretou a nova prisão de Melo, no último domingo (31), desconsidera o primeiro dia da prorrogação da prisão temporária do ex-governador. Melo foi liberado no dia 27 de dezembro em decisão do juiz federal plantonista Ricardo Sales, um dia após ser prorrogada a prisão temporária dele.

“Se não houver nenhum decreto novo de prisão, a partir da meia noite a prisão dele (José Melo) se torna ilegal. Eu estou aguardando alguma posição da Justiça Federal do Amazonas. Eu peticioniei, nesse sentido, hoje de manhã, informando que haveria uma contagem equivocada no despacho que decretou a prisão. Porque deixou de considerar um dia que ele ficou preso, quando da prorrogação dessa prisão”, explica Cavalcanti.

A petição a que ele se refere foi encaminhada ao Ministério Público e a defesa de Melo ainda não obteve resposta.

“Se não houver liberação a partir da meia noite, nós vamos buscar junto ao tribunal que haja correção desse erro. Estamos aguardando que a Justiça não cometa uma injustiça com o ex-governador”, afirma o advogado.

José Melo foi preso em uma nova fase da Operação “Maus Caminhos”, da Polícia Federal, que investiga desvios de verbas públicas da Saúde do Estado. Ele está custodiado na sede da Superintendência da Polícia Federal, no bairro Dom Pedro, Zona Centro-Oeste de Manaus.

Acusações baseadas em fofocas de blogues

Para Cavalcanti, os relatórios da investigação contra Melo são baseados “em relatos de fofocas” publicados em blogues locais.

“Blogues estes que são acusados pelo próprio Ministério Público e pela polícia de receber valores para denegrir a honra e a imagem de políticos. Então, um órgão técnico da União que não apresenta uma prova técnica não pode ser considerado relevante para nada”, afirma.

“Há a alegação de que houve uma evolução patrimonial disforme do ex-governador Melo, é risível. Porque todos os bens mencionados inclusive em matérias de blogues são declarados no imposto de renda há 10 anos. Até mesmo a residência que foi adquirida foi declarada. Não tem nenhuma forma de omissão”, complementa.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.