Publicidade
Manaus
DELEGADO

Delegado que matou advogado a tiros no Porão poderá ir para cadeia comum

A juíza Mirza Telma solicitou, em urgência, informações da Seap se alguma das cadeias de Manaus possuía condições de receber Sotero 27/11/2017 às 14:11 - Atualizado em 27/11/2017 às 16:11
Show 39
Foto: Arquivo A Crítica
Joana Queiroz Manaus (AM)

O delegado Gustavo Sotero, preso no último final de semana por matar o advogado Wilson Justo Filho dentro da casa de show Porão do Alemão, em Manaus, poderá ir para uma cadeia comum. A possível transferência dele para o sistema prisional do Estado foi questionada pela juíza Mirza Telma Oliveira, titular da 1ª Vara do Tribunal do Júri da Comarca de Manaus.

Em ofício encaminhado nesta segunda-feira (27) ao coronel Cleitman Coelho, titular da Secretária Estadual de Administração Penitenciária (Seap), a magistrada solicitou informações, em caráter de urgência, se alguma das cadeias públicas de Manaus possuía condições de receber Sotero. O delegado está preso preventivamente deste o último sábado (25) na carceragem da Delegacia Geral, em Manaus.


Foto: Reprodução

Em contato com a reportagem do Portal A Crítica, o coronel Cleitman Coelho informou que até as 13h de hoje ainda não havia recebido qualquer ofício encaminhado pela juíza. Na solicitação, Mirza Telma destacou que o pedido de transferência de Sotero busca resguardar a integridade física e psicológica dele, levando em conta a condição de delegado de polícia e a norma contida no artigo 295, XI do Código de Processo Penal.

“Eu ainda não posso falar nada sobre a solicitação da magistrada”, disse o secretário da Seap. Porém, segundo Cleitman, ele acha pouco provável a transferência de Sotero para uma cadeia comum, já que o mesmo é delegado, “é polícia” e que “um policial em uma unidade prisional sempre é alvo dos demais presos em casos de rebelião”. “Eu acho imprudente, levá-lo para uma cadeia, principalmente quando é fim de ano”, disse.

Ontem, o delegado-geral de Polícia Civil, Mariolino Brito, afirmou que Sotero continuava preso em uma cela comum na sede da Delegacia Geral, com banheiro e mobiliado com uma cama, com um ar condicionado e sem nenhuma regalia. As refeições são levadas pela família.

Advogado assassinado

O advogado Wilson Justo foi assassinado na madrugada do último sábado (25) após ser alvejado com quatro tiros disparados pelo delegado Gustavo Sotero durante uma briga dentro da casa de show Porão do Alemão, na Zona Oeste de Manaus. Outras três pessoas ficaram feridas, incluindo a esposa do advogado. O delegado Gustavo Sotero foi preso em flagrante.

Publicidade
Publicidade