Publicidade
Manaus
DEBATE

Deputados vão discutir situação da Unimed Manaus em sessão especial na ALE-AM

Preocupação dos deputados é com eventuais danos aos beneficiários da cooperativa. ANS determinou o prazo de 30 dias para que a carteira dos clientes da Unimed Manaus seja transferida para outra empresa 07/07/2018 às 04:58 - Atualizado em 07/07/2018 às 10:20
Show unimed manaus
Foto: Divulgação
acritica.com Manaus (AM)

Na próxima terça-feira (10), a Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (ALE-AM) realizará uma sessão especial para discutir a situação da Unimed Manaus, cooperativa de serviços médicos que já teve a venda determinada pela Agência Nacional de Saúde devido a problemas financeiros. A preocupação dos deputados é com eventuais danos aos beneficiários da cooperativa.

Estará presente o presidente da cooperativa, Sérgio Ferreira, para esclarecimentos sobre o possível encerramento dos serviços de saúde prestados pela empresa no Amazonas. De iniciativa do presidente David Almeida (PSB), e apoiada por outros deputados, a reunião marcará a agenda da semana de 9 a 14, no Parlamento Estadual.

No dia 27 de junho, a ANS determinou o prazo de 30 dias para que a Unimed Manaus transfira a carteira de seus beneficiários para outra empresa. A cooperativa médica suspendeu a comercialização de planos e produtos. Apesar da decisão, a empresa garante que os clientes não serão prejudicados sem assistência.

A Unimed Manaus reiterou que os beneficiários podem realizar, sem alteração, consultas, exames e procedimentos cirúrgicos marcados para os próximos meses. Mesmo após o prazo de 30 dias, os clientes devem continuar sendo atendidos pela própria Unimed.

Anormalidades

Segundo consta no documento publicado pelo Diário Oficial da União, a ANS considerou “anormalidades econômico-financeiras e administrativas graves que colocaram em risco a continuidade do atendimento à saúde” por parte da Unimed Manaus.

Na semana passada, o diretor executivo da empresa na capital explicou a decisão da ANS: “Na verdade, a operadora de saúde precisa ter dinheiro aplicado numa conta chamada fundo garantidor e nosso nível de aplicação estava insuficiente”, confirmando que os 122 mil beneficiários continuarão recebendo atendimento normalmente. “A nossa parte assistencial estava normal”, enfatizou.

Direção quer manter as operações

A direção da Unimed Manaus se reuniu na semana passada com a Presidência e Diretoria da ANS em busca de detalhes sobre as implicações legais e operacionais decorrentes da decisão sobre a venda compulsória. A direção reiterou à ANS o desejo da cooperativa em continuar atuando no setor de saúde suplementar.

Publicidade
Publicidade