Quarta-feira, 20 de Novembro de 2019
Manaus

Desativação de parada de ônibus no Centro de Manaus não agradou usuários do transporte

Muitos não sabiam da mudança, que foi ocasionada pelas obras de reurbanização da Praça Adalberto Vale. Outros reclamavam da distância para os próximos pontos dos coletivos



1.png Durante o sábado, fiscais da SMTU trabalharam para organizar o trânsito e orientar usuários do transporte coletivo.
19/07/2015 às 20:13

Realizada no último sábado (18), a desativação da parada seletiva da Praça Adalberto Vale, localizada na rua Floriano Peixoto, no Centro de Manaus, causou alguns transtornos aos usuários de transporte coletivo que faziam o embarque e desembarque no local.

Muitos não sabiam da mudança, que foi ocasionada por conta do início das obras de reurbanização da Praça realizada pela Prefeitura de Manaus, já outros reclamavam da distância para os próximos pontos dos coletivos.



O conferente Hermínio Paes, 37, não sabia da desativação da parada de ônibus e teve que perguntar dos fiscais da Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU) onde os coletivos estavam fazendo o embarque e desembarque de passageiros. Mas ele destacou que, por se tratar de melhorias no local, não tinha problemas de andar mais um quarteirão para pegar o transporte público. “Se é para reformar a Praça, tudo bem”, disse.

Já doméstica Ivone Duarte, 40, não ficou contente com a desativação da parada de ônibus. Segundo ela, agora terá que andar mais para poder pegar o ônibus. “Essa parada era a única que ficava mais próxima para quem vai ao Mercadão. E para quem vai para casa cheia de compras fica ruim ir para outras paradas, visto que são mais movimentadas. Espero que a obra termine logo para não nos sacrificar mais ainda”, relatou.

A mesma opinião foi compartilhada pela microempresária, Darci Silva Carvalho, 48. Para ela, que pegava ônibus quase todos os dias no local, a desativação da parada deixou os usuários “na mão”. “Ficou complicado, principalmente para quem vai ao sentido da Manaus Moderna, pois agora ficará mais distante para pegar o ônibus”, enfatizou.

O encarregado Luiz Bezerra, 50, por sua vez, ficou confuso de início, por não saber onde poderia pegar o ônibus de volta para casa, mas se informou com os fiscais que estavam no local e aprovou o motivo da interdição da parada de ônibus da Praça Adalberto Vale. “A mudança atrapalhou um pouco, mas como é para reformar a praça está valendo”, afirmou.

Valor

A obra de reestruturação da Praça Adalberto Vale, avaliada inicialmente em R$ 376.600,97, deve ser concluída em seis meses, de acordo com subsecretário de obras públicas da Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf), Antônio Nelson. Segundo ele, o recurso é disponibilizado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e faz parte do programa PAC das Cidades Históricas na cidade de Manaus.

Nelson explicou que a revitalização da Praça será feita em duas etapas, a primeira é a reurbanização da Praça em si, e a segunda, será a instalação do Pavilhão Universal, que atualmente está situado na Praça Terreiro Aranha.

“O Pavilhão será desmontado, reformado e instalado na Praça Adalberto Vale”, declarou. Ele informou que o Prefeito de Manaus, Artur Neto (PSDB), deve fazer uma visita hoje no canteiro de obras.

Projeto

De acordo o projeto da Praça Adalberto Vale, elaborado pelo Instituto Municipal de Planejamento Urbano (Implurb), será implantado jardins baixos em seu entorno, onde serão plantadas árvores e palmeiras, além da instalação de bancos ao seu redor e iluminação pública. O espaço, que hoje é apenas um ‘triângulo’, deixará o Centro mais embelezado.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.