Sábado, 27 de Fevereiro de 2021
EXCESSO DE PRAZO

Desembargador revoga prisão preventiva de líder do CV pelo massacre de 2017

Decisão do desembargador Sabino Marques leva em conta o excesso de prazo, já que desde o massacre de 2017, Gelson Carnaúba, o “Mano G”, líder do Comando Vermelho no AM, nunca foi julgado. Ele permanece preso por outros crimes



f22c6d36-524d-4cf7-aec5-3e69163eab80_1154C2D3-B72C-450A-B7AC-F116C1DB1B12.jpg Foto: Arquivo/AC
16/12/2020 às 14:32

O líder da facção criminosa Comando Vermelho (CV) Gelson Carnaúba, o “Mano G”, teve a prisão preventiva pelo massacre de 2017 em Manaus revogada pelo desembargador Sabino Marques. O criminoso, no entanto, continua preso uma unidade prisional respondendo pelos inúmeros crimes que cometeu.

De acordo com informações da Justiça do Amazonas, a defesa do réu pediu a revogação da sentença alegando excesso de prazo. O massacre do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj) ocorreu em 2017 e até o momento nenhum dos autores das 57 mortes foi julgado.  Mano G é apontado como um dos mentores do massacre.



De acordo com informações da Justiça, o criminoso responde por outros crimes que ele mesmo cometeu e por outros nos quais ele foi o mandante. Mano G é acusado da morte do ex-líder da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) Elgo Jobel, principal testemunha da primeira chacina no Compaj, comandada por Carnaúba, que resultou na morte de dez detentos. Jobel foi morto na feirinha da Eduardo Ribeiro, quando desarmava a sua banca de venda de cosméticos.

Repórter de A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.