Publicidade
Manaus
Manaus

Desfile Militar da Independência reúne 70 mil pessoas na Ponta Negra , Zona Oeste de Manaus

Representantes da Maçonaria e 50 famílias indígenas de várias etnias da comunidade Beija Flor, no município Rio Preto da Eva, atletas de alto rendimento e para-atletas do Amazonas também desfilaram 07/09/2015 às 10:57
Show 1
Milhares de pessoas compareceram ao desfile cívico-militar da Independência na manhã desta segunda-feira (7), na Ponta Negra
luana carvalho ---

CONFIRA AQUI GALERIA DE IMAGENS 

Milhares de pessoas compareceram ao desfile cívico-militar da Independência na manhã desta segunda-feira (7), na Ponta Negra, Zona Oeste. De acordo com o Comandante Militar da Amazônia, Guilherme Theophilo, 70 mil pessoas acompanharam o desfile. A celebração iniciou às 8h com a banda de música do CMA, seguida do pavilhão de bandeiras históricas e dos 26 estados e Distrito Federal.

Paraquedistas abriram o desfile, enquanto o hino nacional era cantado na lingua indigena nheengatu. Desfilaram os grupamentos do Exército, Força Aérea, Marinha, Polícia Militar e Corpo de Bombeiros. Grupos das 'forças amigas', como os representantes da Maçonaria, atletas de alto rendimento e para-atletas do Amazonas, assim como 50 famílias indígenas de várias etnias da comunidade Beija Flor, no município Rio Preto da Eva, também participaram do momento cívico. 

O desfile motorizado militar, que expõe os veículos terrestres e navais tripulados das Forças Armadas, Polícias Militar e Civil e Corpo de Bombeiros, chamou atenção do público. A mascote do Centro de Instrução de Guerra na Selva (Cigs), onça Shitara - que até o início do mês estava se recuperando de uma doença - participou do desfile.

Este ano não houve desfile de aeronaves. A crise foi o motivo do cancelamento do tradicional e esperado desfile aéreo, segundo o general Theophilo. "Estamos com problema de economia de combustível em todo o Brasil, infelizmente não pudemos desfilar com as aeronaves. Até o avião civil que lançou os paraquedistas foi uma aeronave contratada pelo Comando Militar da Amazônia”, explicou. 



Publicidade
Publicidade