Publicidade
Manaus
ABANDONO

Desocupado, Micro Distrito recebe aporte de R$ 342 mil da Prefeitura de Manaus

Local custou R$ 10 milhões e abrigaria micro e pequenas empresas, mas está desocupado há um ano e serve apenas de abrigo para cachorros de rua 31/10/2017 às 09:39
Show dmicro
Área do Dimicro nunca foi ocupada por microempresas desde que foi inaugurada no ano passado, na gestão de Artur (Foto: Jair Araújo)
Janaína Andrade Manaus

Enquanto moradores do conjunto Monte Coliseu, bairro João Paulo 2, zona Leste, padecem com problemas de infraestrutura como falta de asfaltamento e iluminação pública, o Micro Distrito Industrial de Manaus (Dimicro), localizado na entrada do bairro, receberá aporte de R$ 342,1 mil para a construção de salas de treinamento para empresários, entre outros.

No entanto, nenhuma empresa utiliza as instalações do Dimicro, que custou R$ 10 milhões ao bolso contribuinte.

Em março de 2006 o Dimicro foi idealizado pelo então vereador Massami Miki (PSL) e executado pelo ex-prefeito Serafim Corrêa (PSB), porém o projeto só saiu do papel após dez anos, tendo sido inaugurado no ano passado. A reportagem de A CRÍTICA esteve no local na tarde desta segunda-feira (30) e constatou que a estrutura construída para comportar 450 micro e pequenas empresas, com a promessa de gerar até 22,5 mil empregos, serve de abrigo apenas para cachorros de rua.

Apesar de não estar funcionando, o local possui vigilante, que preferiu não ser identificado. Ele trabalha na área há cinco meses e nunca viu movimentação de empresários nos galpões.

Esperança foi em vão

Morador do conjunto Monte Coliseu há quatro anos, Roque Carvalho Ferreira Neto, 42, vendedor, relatou que considera uma humilhação saber que o local que custou milhões, receber socorro financeiro para outras obras pouco mais de um ano após a inauguração.

“Contavam para a gente que esse local (Dimicro) iria gerar emprego para os moradores aqui da redondeza, a gente nunca viu isso acontecer. Pouco tempo depois que eles inauguraram isso aqui, no segundo turno da campanha (para a Prefeitura de Manaus) teve representante do prefeito (Artur Neto) que veio aqui com a gente e prometeu que o (Monte) Coliseu seria finalmente asfaltado. Disseram que a gente teria até lâmpadas de LED nos postes. A gente está esperando até agora”, protestou Roque.

Oficial

Na edição de sexta-feira do Diário Oficial do Município, a secretária Municipal do Trabalho (Semtrad), Ananda Carvalho, publicou extrato referente à contratação da empresa Nell Construtora Ltda para a realização de obras complementares do Dimicro, localizado na rua Pajurazinho, conhecido como ramal do Brasileirinho, bairro Distrito Industrial, no valor de R$ 342,1 mil.

No dia 12 deste mês, decisão da Justiça Federal declarou que a Prefeitura de Manaus é a responsável pela manutenção das ruas do Distrito Industrial I e II, pondo fim a uma antiga controvérsia com a Suframa.

Obra inicia na próxima semana

Procurada pela reportagem, a Secretaria Municipal de Trabalho (Semtrad), por meio da assessoria de comunicação, admitiu que o Dimicro não está sendo utilizado por qualquer empresa. Segundo a assessoria, a ordem de serviço para as obras complementares do Dimicro será entregue na próxima semana.

“As obras complementares contemplam serviços não previstos no projeto original do Dimicro, como a adequação de instalações de combate a incêndio para atender empresas de até grau 5, na classificação de Alto Risco, construção de sala de treinamento, lixeira para coleta seletiva de resíduos, adequação das instalações elétricas, instalação de ar-condicionado para a sala de treinamento, instalação de interfone”, informou a secretaria em nota.

Ao todo serão 29 empresas que terão direito a ocupar os galpões por cinco anos, prorrogáveis por mais cinco. Essas empresas, de acordo com a assessoria, pagarão uma taxa de ocupação referente à gestão de conservação e segurança do prédio.

Publicidade
Publicidade