Publicidade
Manaus
Manaus

Detentos fazem motim no presídio Anísio Jobim, mas Seap nega fuga

Secretaria de Administração Penitenciária confirmou tumulto no regime fechado do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), flagrado pelas câmeras de segurança 23/11/2015 às 13:04
Show 1
Segundo informações preliminares, os detentos cerraram as grades das celas e fugiram
VINICIUS LEAL Manaus (AM)

Detentos iniciaram um tumulto no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus, na manhã desta segunda-feira (23). Porém, nenhuma fuga foi registrada, conforme a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap).

O presídio fica no Km 8 da rodovia BR-174 (estrada que liga Manaus a Boa Vista), próximo a outras unidade prisionais como Centro de Detenção Provisória (CDP) e Intituto Prisional Antônio Trindade (Ipat). A Seap confirmou que o motim ocorreu na área do presídio onde ficam os presos do regime fechado.

“A Seap registrou uma tentativa de motim, mas a situação foi rapidamente controlada”, informou a assessoria de imprensa da Seap. Diferente das informações preliminares divulgadas pelo Portal A Crítica, não houve fuga de presos do presídio.

“Ao contrário do que foi divulgado, nenhuma fuga foi registrada. Reiteramos ainda que a ocorrência foi registrada apenas no Compaj, onde houve a ação de agentes da Seap e o CPE para controlar”, informou o Seap em nota enviada à imprensa.

Segundo a secretaria, o motim foi controlado por equipes do Comando de Policiamento Especializado (CPE) e agentes da Coordenação do Sistema Prisional (Cosipe). “A ocorrência foi confirmada às 10h25 da manhã por meio das câmeras do Centro de Operações e Controle (COC), que monitoram as unidades na sede da secretaria”.

Após o controle da rebelião, policiais militares iniciaram uma revista na unidade prisional para retirar qualquer material ilícito de dentro da unidade. 

Transferência de presos

Na semana passada, a Polícia Federal fez a transferência de 17 detentos do Compaj para presídios federais fora do Amazonas. A ação fez parte da Operação La Muralla, que teve objetivo de desarticular uma rede de tráfico de drogas na Amazônia.

Um dos presos do Compaj transferido pela PF foi o “Zé Roberto da Compensa”, líder da facção criminosa Família do Norte (FDN), grupo criminoso alvo da Polícia Federal e que tem envolvimento com o tráfico e homicídios.

Publicidade
Publicidade