Publicidade
Manaus
Manaus

Detentos usam a Bíblia como 'proteção' durante fugas

A religiosidade é traço forte de presidiários, que pedem proteção divina antes de praticar crimes e até nas fugas carregam a bíblia. Mais de 50 foragidos foram recapturados com elas nas mãos, após fuga em massa de quase 200 detentos do Ipat, em Manaus 21/07/2013 às 16:27
Show 1
Crime e perdão
Joana Queiroz Manaus (AM)

Boa parte dos presos que fugiram do Instituto Penal Antônio Trindade (Ipat), localizado no km 8 da BR-174, durante a rebelião do dia 9, deixou tudo pra trás na hora da fuga: roupa, sandálias e até dinheiro. Mas levou as bíblias que guardavam nas celas.

O fato chamou a atenção de policiais militares que trabalham na recaptura dos detentos e do tenente-coronel da Ronda Ostensiva Cândido Mariano (Rocam), Renan Carvalho, que contou que, dos mais de 50 foragidos que ele ajudou a recapturar na mata no entorno do Ipat, a maioria estava carregando uma bíblia.

O tenente-coronel disse que outros fugitivos foram recapturados fora das matas, também carregando uma bíblia debaixo do braço. Alguns estavam nas paradas de ônibus e foram identificados pelos arranhões que tinham no corpo. O tenente disse que eles não tinham uma explicação para levar a bíblia na fuga. “Acredito que eles carregam a bíblia como forma de proteção”, disse Renan.

A fé também é o tema de mensagens de texto trocadas entre os detentos, segundo constatou a polícia por meio da análise de telefones celulares apreendidos durante as operações policias. Nas mensagens, presos invocam o nome de Deus como proteção para cometer crimes, como assaltos, homicídios e até mesmo fugas de presídios. “Vá lá mano. Vai dá (sic) tudo certo, Deus está contigo e ele vai cegar esses vermes pra não te enxergarem dentro da mata. Vc (sic) vai conseguir”, dizia uma das mensagens flagradas na caixa de entrada de um dos foragidos do Ipat recapturados.

E foi por meio de um celular que, no dia 5 de junho, a detenta da cadeia pública Raimundo Vidal Pessoa, Aline Fontoura Silva, 22, que cumpre pena por tráfico de drogas, postou, na rede social Facebook, mensagens de fé, de dentro da cadeia. “Obrigada senhor por tudo perdoa meus erros e abeçoa minha família e o meu amor, boa madrugada a todos(sic)”, dizia a mensagem.

Em outra postagem, Aline demonstra fé ao se declarar para o namorado, o traficante Rubens Rodrigues, o “Rubão” - um dos líderes do Primeiro Comando da Capital (PCC) no Ipat. “O nosso amor e abençoado por Deus. Eu profetiso em nome de Jesus(sic)”, dizia a postagem.

Justificativa

Quem faz trabalhos religiosos dentro dos presídios acredita que criminosos costumam recorrer a argumentos religiosos para justificar os maus atos, em uma tentativa de se livrar do sentimento de culpa. É o que afirma a voluntária da Pastoral Carcerária, Marlúcia da Costa Souza.

A religiosidade expressada pelos detentos e os conflitos com as práticas criminosas foram comparados pelo ex-arcebispo de Manaus, Dom Luiz Soares Vieira, à vida do cangaceiro Lampião, que era um cristão fervoroso que, segundo relatos históricos, costumava rezar o ofício de Nossa Senhora aos sábados e, depois, saía para assaltar, estuprar e matar. “Não seria uma espécie de esquezofrenia ou dualidade diante de Deus?”, questionou Dom Luiz.

Alternativa para deixar a criminalidade

Mas nem sempre a religião é usada como “ponto de equilíbrio” por quem vive no mundo do crime. Para muitos, a fé é o que dá forças para deixar a criminalidade.

Duas vezes por semana, voluntários da Pastoral Carcerária vão aos presídios evangelizar. Segundo uma das voluntárias, Marlúcia da Costa Souza, 57, grande parte dos internos participa das reuniões.

Eles cantam os louvores, lêem o evangelho e oram fervorosamente. Alguns choram e fazem pedidos a Deus, a maioria ligados à liberdade e à família. Durante as celebrações, muitos pedem perdão e se dizem arrependidos dos crimes que cometeram, contou ela.

Uma vez por ano, na época da Páscoa, a pastoral leva um confessionário e um padre para as cadeias, e muitos presos aproveitam para se confessarem. Para Marlúcia, apesar de os frutos desse trabalho não serem visíveis, muitos acabam mudando de vida após o “encontro com Deus” na cadeia.

Publicidade
Publicidade