Quinta-feira, 18 de Abril de 2019
publicidade
alunas_123_ED1C580F-8830-4AAB-A552-7E532172F799.JPG
publicidade
publicidade

ZONA LESTE

Diretor é investigado por deixar alunas desfilarem em trajes de banho em salas

O gestor da Escola Municipal Cleonice Menezes ainda é acusado de praticar assédio moral com seus funcionários, alugar áreas da escola para eventos, entre outros


01/02/2019 às 19:38

A conduta do diretor da Escola Municipal Cleonice Menezes, localizada na Zona Leste de Manaus, está sendo investigada pela Secretaria Municipal de Educação (Semed), após o órgão receber várias denúncias sobre o “comportamento inapropriado” do diretor da unidade educacional.

Segundo as acusações, enviadas para a Secretaria de Educação, o gestor praticava assédio moral com seus funcionários, alugava as áreas nas dependências da escola para eventos, deixava organizarem festas no local, onde podia entrar inclusive bebida alcoólica e as alunas desfilavam em trajes de banho dentro das salas de aula em eventos promovidos pela própria instituição, como concurso de rainhas de campeonato de futebol da escola.

O conteúdo da denúncia afirma ainda que desde que assumiu o cargo no ano passado o diretor da escola impedia que servidores do serviço gerais fizessem qualquer refeição, mesmo sendo as sobras da merenda escolar e obrigou os servidores da escola a participarem de grupos de WhatsApp sobre pena de receber uma advertência.

“No período eleitoral, o diretor criou grupos de WhatsApp tanto na comunidade como internamente na escola para trabalhar em prol da campanha de uma determinada candidata a Deputada Estadual. Na ocasião, na quinta-feira que antecedeu o pleito, no qual a escola já estava entregue ao TRE o mesmo agendou uma reunião política com os professores. No entanto, sem adesão, irritado, colocou falta coletiva para o corpo docente como punição”, diz um trecho do e-mail com a reclamação ao qual  imprensa teve acesso por meio de um e-mail enviado pela Prefeitura de Manaus.

O documento diz ainda que “sobre grupos de WhatsApp, outro foi criado com alunos para denegrir a imagem dos professores já que a gestão baseava-se em intrigas e fofocas do gênero”. A denúncia afirma ainda que a quadra da escola era alugada, tanto no período diurno, como noturno, inclusive no horário de aula, e que devido à entrada de pessoas estranhas no lugar alguns assaltos chegaram a acontecer na unidade escolar.

Outra situação relatada foi o uso do espaço em beneficio próprio do gestor, com a realização de festas e a não prestação de contas tanto do lucro, como a transparência dos recursos públicos no período que esteve na gestão. “Ao longo do ano, não houve prestação de contas em relação às Verbas Federais, eventos e promoções realizadas na Escola. Na festa folclórica a arrecadação mencionada por ele totalizou R$ 13 mil, renda que teria finalidade para a instalação de câmeras de segurança, ação essa não realizada até agora”, diz mais um trecho do documento.

Em nota, a Secetaria Municipal de Comunicação (Semcom) informou que o e-mail disparado com o título “Denúncia” se trata apenas de encaminhamento interno e está sendo investigado se o mesmo foi disparado por falha técnica.

Sobre o conteúdo da mensagem, a Semed informa que o gestor escolar será afastado até que se apurem todas as denúncias e a direção da unidade de ensino será ocupada por outro profissional.

publicidade
publicidade
Moradores de Suzano lembram um mês do massacre em escola de São Paulo
Escola do carnaval de São Paulo irá homenagear artistas de Parintins em 2020
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.