Publicidade
Manaus
Manaus

Doente, com o vírus HIV e pneumonia, ‘Mano G’ se desfaz da tornozeleira eletrônica e foge

Traficante e pistoleiro de alta periculosidade está solto por Manaus desde o último sábado, quando cortou a tornozeleira que vinha usando há 15 dias 31/03/2015 às 14:51
Show 1
Gregório da Graça Alves faz parte de uma facção criminosa e é considerado pela polícia de alta periculosidade
Joana queiroz Manaus (AM)

O traficante e pistoleiro Gregório da Graça Alves, o “Mano G”, ou “Mano Greg”, está fugitivo da Justiça desde o último sábado à noite, quando cortou a tornozeleira eletrônica que vinha usando há 15 dias e fugiu. Ontem o secretário de administração penitenciário de Justiça, coronel Louismar Bonates, disse que na mesma hora que a central de monitoramento emitiu sinal de alerta a polícia foi acionada e comunicou a fuga de Mano G à Justiça, por e-mail, e ontem por meio de ofício. Agora a Justiça deverá expedir mandado de prisão para ele.

Mano G estava em prisão domiciliar desde o dia 8, concedida pela desembargadora, membro da 2ª Vara Criminal Encarnação das Graças Sampaio Salgado, para tratamento domiciliar já que, segundo a defesa do réu de Mano G, ele é portador do vírus HIV, estava com pneumonia e precisava de cuidados médicos fora da instituição criminal.

De acordo com Bonates, o rompimento da pulseira eletrônica de Mano G aconteceu por volta das 20h, que foi quando a central de monitoramento começou a emitir sinal de alerta. Os monitores comunicaram à Polícia Militar, que por sua vez foi até à casa do traficante, na Cidade Nova. Quando chegou lá só encontrou os pedaços do acessório sobre uma mesa.

Familiares do traficante disseram à polícia que no momento da fuga Mano G estava sozinho em casa e que quando retornaram tinha sumido. Mano G estava preso preventivamente há dois anos. A desembargadora transformou a preventiva em prisão domiciliar. A defesa do réu juntou ao pedido um atestado médico ambulatorial, de um médico plantonista do Pronto Socorro 28 de Agosto, Almério de Souza Pinto.

Nesta segunda-feira (30), a assistente social da Vara de Execuções Criminais (Vep), que não revelou o nome, disse que quando há uma solicitação de prisão domiciliar, na maioria das vezes, o Ministério Público solicita que seja emitido um laudo por médicos do Sistema Penitenciário que acompanham o tratamento do preso dentro do presídio. No caso de Mano G não houve laudo médico e nem parecer do Ministério Público sobre a prisão domiciliar.

Defesa alegou excesso de prazo

A desembargadora Encarnação das Graças Sampaio disse, em seu despacho, que atendeu a representação da defesa do preso e que alegou que Mano G é portador do vírus HIV e pneumonia, precisando de cuidados médicos. Ainda segundo a decisão da magistrada, Mano G é réu primário, tem bons antecedentes, ocupação lícita e residência fixa. De acordo com os autos, o estado de saúde de Mano G é grave. Atualmente ele vive usando fraldas e está sofrendo constrangimento devido ao excesso de prazo. Ele está há mais de dois anos preso e aguardando julgamento.

Mano G é conhecido da polícia por ser integrante da facção criminosa Família do Norte (FDN), parceiro do traficante e pistoleiro , o “Nanico”, e também sobrinho e provável sucessor do narcotraficante Antônio Mota da Graça o “Curica”, que também é foragido da Justiça.

Mano G estava preso desde dezembro de 2012 quando foi flagrado por policiais da Secretaria Executiva Adjunta de Inteligência (Seai) em uma casa localizada no conjunto residencial Jardim de Versalhes, Planalto, Zona Centro-Oeste, junto com Nanico.

Publicidade
Publicidade