Publicidade
Manaus
Manaus

Dois homens são agredidos até a morte no Vale do Sinai, Zona Norte

Segundo informações de moradores do local, o crime aconteceu na madrugada no momento que chovia. Eles declararam não ter ouvido nenhum barulho estranho e nem o grito das vítimas 12/10/2014 às 14:08
Show 1
Velório das vítimas aconteceu na manhã deste domingo (12)
Joana Queiroz Manaus (AM)

A polícia está tentando identificar os autores do duplo homicídio ocorrido na esquina da rua 6 com a 26 do bairro Vale do Sinai, Zona Norte. As vítimas são o eletricista Cleuso Alves da Silva, 34, e o guardador de carros Wellington Pontes Machado, 26, que foram agredidos fisicamente até a morte, de acordo com o registro do Instituto Médico Legal (IML).

Segundo informações de moradores do local, o crime aconteceu na madrugada no momento que chovia. Eles declararam não ter ouvido nenhum barulho estranho e nem o grito das vítimas. Os corpos foram encontrados pela manhã jogados em frente ao lava jato Vale. Ontem pela manhã nenhum morador quis falar sobre o caso.

Segundo familiares, os dois eram amigos e estavam sempre juntos. “Nós não sabemos o que aconteceu, quando nós só tomamos conhecimento quando os corpos já estavam sendo levados”, disse uma irmã de Cleuso que não revelou o nome. Os vizinhos das vítimas declaram que os mesmos tinham envolvimento com o tráfico de droga.

De acordo com o exame de necropsia feitas nos corpos das vítimas, elas tiveram fraturas multiplas por todo o corpo e ainda hemorragia interna o que teria causado a morte. Ainda não há informações sobre o objeto usado pelos autores para espancar as vítimas.

Ainda segundo os vizinhos, Cleuso trabalhava como eletricistas  e era um bom profissional, fazia serviço para os moradores do bairro, já Wellington era foragido do sistema semi-aberto do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), localizado no Km 8 da BR-174, onde cumpria pena por assalto. Wellington também era indiciado por latrocínio (assalto seguido de morte) do taxista Plínio Lima Tavares, morto a tiros, na rua Belo Horizonte, bairro Adrianópolis, Zona Sul. 

Os corpos dos dois foram velados em uma igreja evangélica do bairro Assembléia de Deus, Ministério Madureira. No velório, a mãe de Cleuso estava inconsolável  chorando alto e chamando pelo filho.

O crime vai ser investigado pela Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS). Ontem os policiais que acompanharam o caso disseram não ter dúvidas de que a motivação do crime tenha sido o tráfico de droga.

Publicidade
Publicidade