Publicidade
Manaus
Manaus

Dom Sérgio Castriane acredita que o novo Papa dará novo ânimo à Igreja Católica

Com a escolha do novo Papa, o arcebispo de Manaus acredita que o estilo latino-americano vai levar alegria e dar um novo caminho na igreja 14/03/2013 às 10:33
Show 1
Para o arcebispo dom Sérgio Castriane, “um papa latino vai dar mais atenção especial na luta pela erradicação da pobreza”
Anderson Silva Manaus (AM)

A escolha do argentino Jorge Mario Bergoglio, 76 anos, para ser o novo Papa, anunciada na desta quarta-feira (13) em Roma, deixou o arcebispo de Manaus, dom Sérgio Castriane, esperançoso quanto aos novos rumos da Igreja Católica no mundo, especialmente no Amazonas.

O novo líder da Igreja Católica que passa a se chamar Francisco – o mesmo nome do Santo que foi o renovador do Catolicismo e que viveu uma vida religiosa de pobreza – surpreendeu o arcebispo que comanda a igreja no Estado.

“O cardeal Bergoglio, arcebispo de Buenos Aires, é expressão muito forte da igreja latino-americano e vai levar a Roma uma grande tradição da nossa igreja da América Latina. Fiquei surpreso, pois esperava a escolha de um papa italiano na linha da nova evangelização. Gostaria que fosse um brasileiro, mas era algo muito difícil”, disse.

Com a escolha do novo Papa, o arcebispo de Manaus acredita que o estilo latino-americano vai levar alegria e dar um novo caminho na igreja.

“Um papa latino vai dar mais atenção especial na luta pela erradicação da pobreza, em segundo lugar teremos uma igreja de mais comunidade e comunhão. Teremos uma igreja alegre, que reza que aproxime ainda mais o povo de Deus. Essas são algumas contribuições ele vai dar para a Europa e para o mundo”, afirmou.

Além da surpresa de um papa do continente sul-americano, o que despertou mais interesse em dom Sérgio foi o nome de Francisco, que foi dado ao argentino em sua nova missão à frente do Papado da Igreja Católica Romana.

“O primeiro grande gesto foi o nome de Francisco, que para nós brasileiros nos remete ao santo São Francisco, que no seu tempo não usou de caminhos de grandes manifestações. O caminho dele foi da pobreza da identificação com Jesus Cristo, da oração, de alegria e louvor”, lembra o sacerdote.

Desafios

O novo líder da Igreja Católica terá inúmeros desafios. Dom Sérgio acredita que uma das mudanças de imediato é a inversão da religião, a qual as pessoas usam o nome de Deus para obter posições e conquistas pessoais. “É importante falar, ouvir, conversar e não ter um Deus que pode ser manipulado pela religião ou política, sempre houve essa história de manipular Deus. Com isso o crescimento do fundamentalismo religioso que no fundo é uma inversão da religião, usa o nome do Senhor para obter posições e conquistas pessoais”, afirmou o arcebispo que crê em uma nova fase para a igreja.

“Há muitos problemas na igreja, mas acredito que o novo Papa vai dar um novo ânimo”, completou.

Encontro no Brasil em 2007

Em 2007, dom Sérgio esteve com o Jorge Mario Bergoglio na visita do papa na Conferência de Aparecida em São Paulo, na época o, agora, novo Papa cuidava dos serviços de comunicação do papado. Um novo encontro poderá ser realizado em junho deste ano, na Itália, onde os novos arcebispos serão apresentados ao novo líder.

“A previsão é que no dia 29 de junho, dia de São Pedro, em uma celebração, os novos arcebispos serão nomeados em Roma. Vamos agendar ainda”, explicou o arcebispo.

O arcebispo prometeu orar e anunciar o nome do novo Papa em todas as missas, como forma de celebrar a chagada do novo líder dos católicos.

Publicidade
Publicidade