Quinta-feira, 18 de Julho de 2019
FAMÍLIA DO NATAL

Família Brandão: de portas abertas para falar de amor, solidariedade e união

A Crítica homenageia uma das famílias que é exemplo de compaixão e amor ao próximo



fam_lia_brand_o_CC6712DD-CC64-417C-A59C-1605FC07B08F.JPG Da esq. p/ dir. em pé: Mozart, Michele, Alissa, João, Nathalia, Bruno, Gabriela, Thiago, Thainá, Eduardo e Agostinho. Sentados: Luiz e Dalva. Foto: Divulgação
23/12/2018 às 15:08

União, amor e solidariedade são ingredientes essenciais no dia a dia da família Brandão, composta pela matriarca Dalva e o patriarca Luiz; os filhos Michelle, Danielle, Eduardo e Gabriela e seus companheiros; os netos Alissa, Nathalia, Thainá e Bruno. Há 45 anos, eles vêm transformando vidas, passando esse legado às novas gerações e deixando o exemplo sobre a prática do ‘dar sem esperar retribuição’.

Para a família, Dalva e Luiz são os maiores modelos de amor ao próximo que os filhos, genros e netos poderiam ter. Fundadores há 45 anos da loja Luanjo, localizada no bairro Educandos, a família acompanhou o incêndio que destruiu mais de 600 casas naquela área, ocorrido na noite da última segunda-feira, 17, afetando mais de 2.500 pessoas, entre elas sete famílias  e quatro  pessoas são seus funcionários.  

Desde o incidente, toda a família se uniu para mais uma ação: amparar os funcionários e auxiliar os desabrigados. O depósito da empresa se transformou em referência de coleta e distribuição de doações. E mais que isso: um ponto de acolhimento, onde as vítimas encontram apoio, carinho e o abraço sincero de uma família que transborda bons sentimentos.  “Nossa família se uniu ainda mais neste momento de angústia e desespero. Não tivemos tempo para ver, a princípio, como havia ficado o local. Nossa atitude no momento foi acolher nossos funcionários e suas famílias”, disse Dalva Brandão matriarca do clã.

Para Eduardo, um dos momentos mais marcantes desse episódio foi ver sua mãe não medir esforços para amparar seus funcionários, que perderam tudo.  “No dia seguinte ao incêndio, colocamos nossos funcionários em apartamentos e mobiliamos. Queríamos realmente era resgatar um pouco da dignidade dessas pessoas ”, ressalta Eduardo.

O sentimento de comoção da família não se limita somente aos seus funcionários, mas também a comunidade a qual eles convivem há décadas. Para o esposo de Michelle,  João Luiz Carvalho:  “Foi um choque para todos. Em meio a tanta tragédia é difícil encontrar uma palavra para exprimir esse sentimento de perda e angústia junto a essas famílias”.

Amor ao próximo

Para os genros essa grande mobilização da família para ajudar as vítimas não surpreende.  Agostinho Maia, casado há dois anos com Eduardo, comenta que desde o primeiro momento se sentiu em casa e os tem como uma segunda família. “A atitude solidária é uma missão gratificante e uma devolutiva social expressiva para a comunidade”, pondera.

Um dos membros mais novos da família, Thiago Mendes, de Curitiba, casado com a caçula Gabriela, afirma: “É uma ação muito bonita, mas não esperava nada diferente da família. Desde o primeiro dia que cheguei me senti acolhido, haja vista que toda minha família mora longe”.

Nessa missão todos contribuem. Gabriela conta que se disponibilizou e passou em algumas casas para arrecadar doações. “Sinto orgulho por estarmos unidos em família nessa ação”. Para Michelle, Natal não é só troca de presentes, mas a atenção ao próximo.

Para Nathalia, filha de Michelle e João Luiz, que está envolvida com a ação solidária,   destaca que é um momento das pessoas saírem da zona de conforto e se mobilizarem para ajudar o próximo. “Mesmo com as dificuldades que aquelas famílias estão passando, observei que uns ajudam os outros e têm esperança no olhar, o que nos comove e motiva a ajudar cada vez mais”, diz.

Valores

A alegria em comemorar o nascimento de Cristo esse ano tem um tom singular para a família e um aprendizado especial para os mais novos. “Certamente vamos ter um Natal diferente, pois esse incêndio e o envolvimento que temos com a comunidade, nos faz ficar reflexivos pela situação dessas famílias”, comenta Eduardo Brandão.

Mesmo assim, eles ressaltam que a união e o amor são fundamentais para todos. Dalva enfatiza que tradição no Natal é manter a família unida, assim como acontece durante todo o ano. Mais que a troca de presentes, para eles o Natal em família é um momento de celebrar a vida em Cristo, confraternizar com os parentes e amigos e agradecer por mais um ano juntos.

Ceia

Na noite de Natal é o momento que a família Brandão tira para realmente se confraternizar e receber não só os parentes mais próximos, como também amigos .  Quando o assunto é o menu, todos são enfáticos: Não pode faltar o bacalhau da dona Dalva.  De acordo com o filho Eduardo, a mãe é especialista em fazer essa iguaria e não existe outra igual. O preparo é feito com tanto amor que fez até o genro Thiago, que não comia bacalhau, aderir a tradição.

Preparativos

Mantendo a tradição, a casa dos anfitriões, Dalva e Luiz, já está toda decorada em clima natalino.  Além da árvore de Natal, com mais de dois metros, recheada de enfeites, as portas, mesas e janelas também recebem adornos à altura.  Mas essas decorações são apenas detalhes, pois a casa está preenchida pelo clima descontraído, sorrisos largos e alegrias desmedidas, onde logo se vê que o significado de Natal se concentra em ‘família, amor, união e fartura para todos’.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.