Publicidade
Manaus
PROJETOS DE PESQUISA

UEA investe em incubadora de empresas; obras devem começar ainda este ano

Um espaço físico será criado para incentivar, discutir e colocar em prática questões ligadas ao empreendedorismo. O recurso já foi aprovado e é oriundo de uma emenda parlamentar 04/03/2018 às 05:41 - Atualizado em 04/03/2018 às 07:42
Show uea
A estrutura compreende a instalação de um espaço físico com capacidade para receber diversas empresas (Foto: Divulgação)
Rebeca Mota Manaus (AM)

A Universidade do Estado do Amazonas (UEA) está investindo em uma nova expertise: uma nova incubadora de empresas cujo objetivo é criar um espaço físico no qual será possível incentivar, discutir e colocar em prática questões ligadas ao empreendedorismo. A expectativa é que as obras comecem até o final do primeiro trimestre deste ano.

A diretora da Agência de Inovação da UEA, Katia Meirielli, explica que a proposta da universidade tem o intuito de unir ciência e pesquisa em favor do empreendedorismo. “Vamos criar um ambiente para além da teoria, onde nossos professores e alunos possam desenvolver startups, spin off e também soluções para essas empresas”, disse.

A estrutura da nova incubadora compreende a instalação de um espaço físico com capacidade para receber diversas empresas. O recurso já foi aprovado e é oriundo de uma emenda parlamentar na ordem de R$ 400 mil pelo FNDE e mais R$ 19 mil de contrapartida da UEA.

“A incubadora visa incentivar o empreendedorismo e a inovação na Universidade. E este recurso é oriundo do Governo Federal pela deputada Conceição Sampaio. Este será um espaço colaborativo que vai beneficiar diversos projetos, receberá visitas de startups e empresários para agregar conhecimentos. Teremos também eventos com investidores, rodadas de negócios, integração dos três coworking que temos na UEA. Tudo isso para promover a cooperação, inclusão e integração”, revela Katia.

Para participar da Incubadora será lançado um edital que selecionará as empresas que vão ficar no ambiente por mais ou menos dois anos nas áreas como indústria 4.0, Internet das coisas, nanotecnologia, revolução de novos materiais e outros.

“Isso surge para que tenhamos um olhar diferente para a Universidade daqui há 10, 20, 30 anos. A ideia é que as pessoas busquem soluções na UEA e que a Universidade esteja pronta para oferecer respostas”, explica.

FAS

17 projetos foram escolhidos através do Edital Floresta em Pé, que busca apoiar atividades sustentáveis de geração de renda no interior do estado. Ao todo, serão investidos R$ 2,5 milhões de reais em iniciativas na área de turismo, agricultura familiar, pesca, artesanato e outros, em 13 municípios do Amazonas.

Comercialização da cadeia de artesanato

No Alto Rio Negro, a Associação de Artesãos Indígenas de São Gabriel da Cachoeira (Assai) desenvolverá um projeto voltado através da FAS que é a comercialização da cadeia de artesanato regional pelas mulheres que lá residem. A Assai difundirá o artesanato por meio de e-commerce, vendas online.

“O intuito da associação, com o projeto, é principalmente promover a integração entre as artesãs e com isso ajudar a comunidade do Alto Rio Negro através inovação para geração de renda de todos. O Edital Floresta em Pé foi uma ótima oportunidade de alcançarmos o nosso principal objetivo: fazer a nossa cultura local resistir. Estamos gratas!”, comemora a vice-coordenadora da Assai, Cecília Albuquerque.

O empreendimento beneficiará famílias da RDS do Uatumã além de fomentar a geração de renda e turismo na região.

Publicidade
Publicidade