Quarta-feira, 17 de Julho de 2019
Manaus

Donos de imóveis que tiverem criadouros de aedes aegypti serão multados em até R$ 33,5 mil

O valor das multas variam de uma a 400 Unidades Fiscais do Município (UFMs), que pode chegar a R$ 33,5 mil. Só este ano, mais de 70 endereços receberam esse tipo de sanção em Manaus



1.jpg Vasos e jardins devem ser limpos constantemente pelos proprietários de imóveis se não quiserem receber a multa
16/12/2015 às 09:49

Os proprietários de imóveis de alto risco (ferros velhos, construção civil, terrenos baldios, cemitérios, condomínios), para formação de criadouros do mosquito aedes aegypti podem ser multados em Manaus. O valor das multas variam de uma a 400 Unidades Fiscais do Município (UFMs), que pode chegar a R$ 33,5 mil. Só este ano, mais de 70 endereços receberam esse tipo de sanção por favorecerem a proliferação do transmissor da dengue, chikunghunya e zika.

A informação é do diretor do Departamento de Vigilância Sanitária (Visa-Manaus), Marco Fabris. Ele ressaltou que a responsabilidade da manutenção de oficinas, ferros velhos, terrenos baldios, entre outros, é do proprietário. Logo, se ao ser fiscalizado esses locais não estiverem como manda a legislação, limpo e protegido de insetos, ratos, larvas, o dono é autuado e multado. “Essa medida está em vigor desde 1997 e é resguardada pelo Código Sanitário de Manaus”, declarou.

Fabris frisou ainda que a multa não se restringe a estabelecimentos comerciais ou terrenos baldios. Proprietários de residências também podem ser multados. A multa depende da quantidade de criadouros de aedes aegypti encontrados no local e se o imóvel é reincidente. O dono da propriedade que recebeu a multa tem três dias para apresentar defesa.

“Se no imóvel há possibilidade de proliferação, ou seja, pneu no quintal, vasos, entre outros, mesmo não sendo encontrada nenhuma larva, o proprietário é autuado porque está oferecendo risco para a reprodução do aedes aegypti. Agora, se for encontrado pneu ou água parada e larva do mosquito é certo que também será multado”, salientou Marco Fabris.

Fiscalização

No próximo dia 19, com a realização do Dia “Z” de Combate ao Aedes, a Visa-Manaus terá um papel fundamental, de acordo com Marco Fabris. Conforme ele, equipes do órgão vão as ruas para visitar imóveis de todas as Zonas de Manaus, inclusive os que já receberam multa esse ano. “Vamos mais uma vez nesses locais. A multa vai depender do porte do imóvel, da reincidência, do porte dos criadouros e da presença de larvas encontradas”, enfatizou.

O secretário municipal de Saúde, Homero de Miranda Leão Neto, afirmou que haverá tolerância zero para o mosquito aedes aegypti. “A população não pode deixar água acumulada em nenhum local, porque senão o mosquito se prolifera. E donos de terrenos ou estabelecimentos também devem ficar atentos, porque os fiscais da Visa Manaus irão multar quem tiver grandes focos do mosquito. Eles não podem colocar a população em perigo”, ressaltou.

Suspeitos de zika são 36

Subiu de 34 para 36 os casos suspeitos de zika no Amazonas, de segunda-feira para terça-feira, de acordo com o Secretário de Estado de Saúde, Pedro Elias. Dois foram descartados por critério clínico e 11 por critério laboratorial. Apenas um foi confirmado, de transmissão autóctone (infectado dentro do Estado). Restam, ainda, 22 casos suspeitos, sendo oito gestantes. Todos em Manaus.

As ações de combate ao Aedes aegypti vão ganhar um grande reforço, em pontos estratégicos da cidade, com a realização do Dia “Z” de Combate ao Aedes, no próximo sábado, 19, pela Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) com o apoio do Governo do Estado.

Durante a ação, materiais educativos, como adesivos de carros e folhetos serão distribuídos, alertando a população para agir em reforço com a Prefeitura de Manaus no combate ao Aedes aegypti. “Todas as unidades de saúde da rede estarão mobilizadas no próximo sábado, para alertar a população sobre a importância das ações de combate ao Aedes aegypti”, destacou o secretário municipal de Saúde, Homero de Miranda Leão.

Conferência para o interior

A Secretaria Estadual de Saúde (Susam) promoveu, ontem, uma videoconferência, a partir de Manaus, para todo o interior do Amazonas, tratando do risco de epidemia de dengue, chikungunya e zika, doenças transmitidas pelo mosquito aedes aegypti. Também foi abordada a questão da relação do zika vírus com os casos de microcefalia.

O Secretário Estadual de Saúde, Pedro Elias, fez uma apresentação geral alertando para a necessidade das prefeituras elaborarem os seus planos de ação para combate ao mosquito transmissor das três doenças. O diretor-presidente da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS), Bernardino Albuquerque, abordou sobre as especificidades de cada uma das doenças; o controle vetorial e o combate ao aedes .

Todos os 61 municípios do interior foram convidados. Entre os participantes da videoconferência estavam secretários municipais de saúde, profissionais da vigilância sanitária, do programa Mais Médicos e dos serviços de saúde de um modo geral. Na ocasião, eles tiveram a oportunidade de tirar todas as dúvidas sobre o tema.

Emergência

O Governo do Amazonas decretou situação de emergência no Estado em virtude da probabilidade de desencadeamento de situações epidêmicas de dengue, chikungunya e zika. O decreto tem vigência de 180 dias.AtençãoQuinze municípios do interior, além de Manaus, estão em atenção por conta da proliferação do mosquito aedes aegypti, são eles: São Gabriel da Cachoeira, Tabatinga, Tefé, Coari, Codajás, Lábrea, Humaitá, Novo Aripuanã, Borba, Maués, Itacoatiara, Careiro, Iranduba, Guajará e Manacapuru.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.