Publicidade
Manaus
DUPLO HOMICÍDIO

DPE oferece atendimento jurídico, psicológico e social a famílias de policiais mortos

Sargento e cabo foram assassinados a tiros disparados por um tenente na madrugada de sábado (5) em Manaus 06/01/2019 às 18:04
Show show c519a091 629c 4d85 ae25 0dbbac412f89 0002f9c5 1682 4400 8e11 5a07440cb267
Foto: Arquivo A Crítica
acritica.com

A Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE-AM) disponibilizou aos parentes dos policiais mortos a tiros em Manaus, neste final de semana, atendimento jurídico, psicológico e social, caso necessitem. Foram mortos a tiros o sargento Edizandro Santos Louzada, 30, e o cabo Grasiano Monte Negreiros, 36. O autor dos disparos é outro policial, o tenente Joselito Pessoa Anselmo.

De acordo com a DPE, caso os familiares queiram receber os atendimentos podem entrar em contato com o núcleo da Defensoria Pública de Auditoria Militar pelos telefones (92) 3633-2955 e 3633-2986.

Entenda o caso

O sargento Edizandro e o cabo Grasiano foram assassinados a tiros na madrugada de sábado (5) na rua Monte Horebe, bairro Colônia Santo Antônio, Zona Norte da capital. Os tiros foram disparados pelo tenente Joselito Pessoa Anselmo, chefe dos policiais mortos e comandante da 18ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom). Outras duas pessoas também foram baleadas, mas sobreviveram: o major Ludernilson Lima de Paula, 40, e o borracheiro Robson Almeida Rodrigues, de 25 anos.

Segundo a polícia, o tenente, as duas vítimas fatais e os dois feridos estavam todos dentro do mesmo veículo, uma viatura descaracterizada da PM, retornando de uma festa. O automóvel estava sendo conduzido pelo cabo Grasiano e todos seriam levados para casa quando o tenente começou a atirar. Grasiano levou um tiro na nuca e o carro acabou capotando. Edizandro foi alvejado na cabeça, Ludernilson no ombro esquerdo e Robson na mão. Bebidas alcoólicas foram encontradas pela polícia dentro do veículo.

Preso em flagrante

Joselito foi preso em flagrante, passou por exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML) e exame de resíduos de pólvora nas mãos, cujo resultado não tem prazo. Ele prestou depoimento na DEHS e teve a prisão preventiva decretada no final da tarde de sábado (5).

Publicidade
Publicidade