Publicidade
Manaus
DESAPARECIDO

Durante chuva, criança morre ao se afogar em igarapé no bairro Alvorada, em Manaus

De acordo com informações do Corpo de Bombeiros, a atuação está sendo feita com um total de cinco equipes, com cinco viaturas, totalizando 20 homens para tentar localizar o menino 05/05/2016 às 12:08 - Atualizado em 05/05/2016 às 15:10
Luana Carvalho* Manaus (AM)

Por volta das 11h desta quinta-feira (5), durante a chuva que atingiu a capital, uma criança identificada como Guilherme Guerreiro, de 7 anos, morreu afogada após ser arrastada para dentro do Igarapé da Sapolândia ,na rua Ovídio Gomes Monteiro (antiga 11), no bairro Alvorada 2, na Zona Centro-Oeste de Manaus.

"A criança caiu no igarapé e a correnteza estava muito forte passando sobre uma ponte. Nossa estratégia foi montar equipes por todo o percurso para encontrar a criança, porém ela foi achada nesse local, por moradores" disse o tenente João Filho.

No local onde a criança caiu, vários bueiros estão sem trampa ou proteção e o acesso pelo qual Guilherme caiu não apresentava nenhuma contenção, que já não existe há aproximadamente dois anos, segundo moradores da área. "Tinha uma tampa neste bueiro, mas quebrou já fazem mais de dois anos e nunca colocaram outra. Vários acidentes já aconteceram neste mesmo trecho", relatou a vizinha da vítima, Marluce Ribeiro de Oliveira, 52.

O corpo da criança foi encontrado por moradores do beco Pedro Teixeira, localizado na rua José Belém, bairro Chapada, que acionaram o Corpo de Bombeiros em seguida.

O autônomo Pedro Marques, de 47 anos, mora há três anos no beco e encontrou o corpo da criança. “Quando as águas baixaram, um vizinho disse que tinha um corpo da criança dbaixo do assoalho, fui e retirei o corpo, já sem vida. O Corpo de Bombeiros já tinha vindo nesse local, mas não haviam encontrado nada. Optamos por retirar logo, antes da chegada dos bombeiros. Estávamos na expectativa de que o corpo fosse encontrado aqui, pois não é a primeira vez que um corpo ‘engata’ nessa casa”, disse.

De acordo com informações do Corpo de Bombeiros, a mãe do garoto teria pedido para ele entregar um dinheiro para o pai no comércio que ele mantinha, próximo de onde moravam. Na volta, prestes a se arrumar para ir à escola, começou a chover e ele escorregou, caindo no igarapé.

O pai da vítima, Djalma Guerreiro, de 35, estava muito abalado e sem condições de falar com a imprensa após ver o corpo do seu filho carregado pelos bombeiros. O clima na residência da família de Guilherme era de abalo total.

O tio dele Odirlei Pereira Torres, 37, disse que ele não costumava brincar na rua. "O negócio dele era video-game. Ele tinha ido apenas levar um troco no comércio do pai dele, na rua da frente", contou.

O Corpo de Bombeiros ainda não calculou a distância entre o local da queda da criança e o local onde o corpo foi encontrado. O corpo da criança foi recolhido pelo Instituto Médico Legal (IML).

Em tempo

Outro caso semelhante ocorreu no domingo (23), quando o pequeno André Pereira, de 6 anos caiu em um bueiro, no bairro Novo Aleixo, antigo Mutirão, Zona Leste. Após uma enxurrada, ele teve o corpo levado por mais de 10 quilômetros, sendo encontrado no parque do Mindu, Zona Centro-Sul

*Colaborou Alexandre Pequeno

Publicidade
Publicidade