Terça-feira, 19 de Novembro de 2019
Manaus

Durante assalto, mulher é mantida refém por homem armado com faca, no Dom Pedro

O assaltante pediu um colete balístico e a presença da imprensa no local. A área foi isolada pela PM, para evitar com o que o suspeito fique mais agressivo



1.jpg Bastante agressivo, homem se recusa a negociar com policiais
18/07/2015 às 19:47

CONFIRA IMAGENS / ASSISTA VÍDEO

A recém-graduada em Turismo Janaína Salgado, de 22 anos, foi mantida refém por presidiário do regime semiaberto identificado como Adegelson, de 26 anos, com uma faca por quase 3 horas. O fato iniciou às 14h30 deste sábado (18) dentro de uma agência de viagens no Centro Comercial Paxiúbas, localizado no conjunto Kyssia, bairro Dom Pedro, Zona Centro-Oeste de Manaus. Após muita negociação, o criminoso enfim se rendeu e foi preso.



De acordo com a Polícia Militar, tudo teve início com uma tentativa de assalto no local. O major Peter Santos, do Grupamento Aéreo, informou que o suspeito saiu da cadeia há 40 dias.

“Adegelson vinha passando pelo local quando tentou invadir a loja, por uma coincidência a viatura visualizou e ele pegou a funcionária como refém”, disse. Super agressivo, o assaltante bate a faca no vidro do estabelecimento a todo o momento e segue fazendo ameaças.


Um oficial da Ronda Ostensiva Cândido Mariano (Rocam) está no local tentando negociar com o suspeito. Uma equipe da Companhia de Operações Especiais (COE) também já está a postos pra fazer uma intervenção, caso precise.

Segundo informações de policiais da Força Tática, já tem 'snipers' (atiradores de elite) posicionado na mata, no teto e atrás do centro comercial. Porém, o sniper só pode atirar com autorização do governador José Melo.

O assaltante pediu um colete balístico e a presença da imprensa no local ainda no começo do crime e, no decorrer das negociações, exigiu um veículo com o tanque de combustível cheio. A área foi isolada pela PM, para evitar com o que o suspeito fique mais agressivo. 

Equipe do COE no local (Foto: Luana Carvalho)

Desespero e exigências

O irmão do assaltante já está no local para ajudar na negociação, assim como familiares da refém, que chegaram juntos por volta de 16h15. Os donos da loja e outros funcionários também já estão presentes.

Aos prantos, a mãe chegou ao local levando um carro, na tentativa de atender ao pedido do suspeito. "Ele só quer um carro. Por favor, deixa eu levar o carro”, desabafou a mãe, impedida por policiais (assista ao vídeo).

Segundo uma vizinha da refém, Danielle Campos, Janaína se formou há dois meses e logo conseguiu este emprego na agência de turismo Aboard. Ela também faz, atualmente, curso de comissária de bordo.

O suspeito aparenta estar sob efeito de bebida alcoólica e entorpecentes, segundo o major Peter. “Para negociação, ele pede um carro e também coisas sem nexo. Acreditamos que em mais alguns minutos ele vai se acalmar. A princípio vamos negociar o máximo que for possível”, destacou. Pessoas que estavam em outras lojas do centro comercial continuam no local, impedidas de sair.

Por volta das 16h45, Adegelson solicitou um veículo específico, modelo Chevrolet Prisma, como exigência para acabar com o sequestro. Às 17h, a polícia confirmou que não conseguiu o Prisma, então resolveu levar o carro que a família chegou a ofecer, um Chevrolet Corsa sedan.

O criminoso, ainda bastante instável, chegou a sair com a refém em seu poder mas logo voltou para dentro da loja. A população que assiste a tudo do início do bloqueio na via se mostra revoltada e cobra uma ação da polícia e dos "snipers" que estão no local. O mesmo pedido é ecoado por centenas de pessoas nas redes sociais do Portal ACRITICA.COM.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.