Publicidade
Manaus
IMPRUDÊNCIA

‘Ela era querida por todos’, diz filha de idosa morta atropelada por ônibus em Manaus

Familiares disseram que vão processar a empresa responsável pelo coletivo. Raimunda, de 62 anos, era bastante ativa e independente 14/11/2017 às 17:22 - Atualizado em 15/11/2017 às 09:09
Show idosa
Foto: Arquivo pessoal/Divulgação
Amanda Guimarães Manaus (AM)

Familiares da idosa Raimunda Martins de Oliveira, de 62 anos, que morreu atropelada por um ônibus da linha 088 na noite do último domingo (12), em Manaus, vão processar a empresa de ônibus Global Green, responsável pelo coletivo. Imagens de uma câmera de segurança desmentiram a versão da empresa de que a idosa teria “corrido” para embarcar no coletivo e, em seguida, tropeçado e caído debaixo do automóvel.

Nesta terça-feira (14), o corpo da idosa foi velado e enterrado pelos parentes. Procurados pela reportagem do Portal A Crítica, os familiares confirmaram que pretendem entrar com uma ação judicial contra a empresa. Além disso, eles se disseram revoltados por não terem recebido até o momento nenhuma assistência da Global, contestando a informação também divulgada pela empresa por meio de nota à imprensa de que estaria dando total apoio aos parentes da vítima.

“A Global não nos deu nenhuma assistência. Tenho pagado tudo do enterro. Nos próximos dias vou à delegacia que registramos o B.O (boletim de ocorrência) para pegar mais informações sobre o caso e entrar com uma ação na Justiça. A minha mãe deu sinal para parada do ônibus, o motorista viu ela, mas mesmo assim não parou”, explicou o filho de Raimunda, Tony Bandeira.


Registro em foto de Raimunda guardado por familiares (Foto: Arquivo pessoal)

Segundo Tony, toda a família ficou sabendo do acidente por meio de testemunhas que conseguiram entrar em contato com eles através do próprio celular da idosa. “Uma pessoa pegou o celular da minha mãe e ligou para minha prima contando o que tinha acontecido. A partir desse momento começamos a resolver tudo sobre o enterro”, disse. “Estamos revoltados com essa fatalidade. A Global Green teve falta de caráter ao tentar mudar a história”.

De acordo com o filho de Raimunda, a mãe dele utilizava uma muleta para se locomover porque tinha fraturado uma das pernas em um acidente, o que desmente a informação de que a idosa teria “corrido” para pegar o coletivo. Além disso, segundo Tony, a vítima tinha problemas de visão. “A minha mãe tinha problemas na visão, além de ter uma fratura na perna, por isso que utilizava uma muleta. Ela não tinha como correr atrás do ônibus. Foi uma sacanagem o que o motorista fez”, destacou Tony.

Vídeo registrou imprudência

Nas imagens da câmera de segurança, que o Portal A Crítica teve acesso com exclusividade, é possível ver Raimunda fazendo sinal de parada ao 088 e usando uma muleta para ajudar a se locomover. Em seguida, o motorista para o coletivo em cima de uma faixa de pedestre, espera dois passageiros descerem e fecha a porta no momento em que a idosa andava em direção ao ônibus para embarcar.

Logo depois, o motorista dá a partida no veículo e acelera, não esperando Raimunda. A idosa, então, se apressa para tentar chamar a atenção do motorista, tropeça e cai debaixo do automóvel, momento em que é atropelada, morrendo na hora.

Ela sempre fazia o trajeto

Outra filha de Raimunda, Celina Bandeira, contou ao Portal A Crítica que a mãe dela era bastante ativa e independente, apesar da deficiência na perna e na visão. “Ela sempre pegava ônibus naquela parada, porque morava ali perto. Até o momento a Global Green não prestou nenhum auxílio para nós. Estamos revoltados, porque a minha mãe não correu atrás do ônibus. Ela pediu parada e deu no que deu”, ressaltou.

Celina também lamentou o óbito da mãe de forma tão trágica e destacou que a “dona Raimunda” “era muito querida por todos”. “Como já falei, meu sentimento é de revolta. Minha mãe era muito querida por todos nós e pelos vizinhos. Mas infelizmente ela não é a primeira ou a última a morrer em um acidente assim”, completou Celina.


Ônibus da linha 088 (Foto: Reprodução/Cristiano Jardim/Busólogos-BR)

Investigações na polícia

A Polícia Civil do Amazonas, responsável pelas investigações do caso, informou por meio de nota que os trâmites cabíveis e as investigações em torno do acidente estão em fase inicial. As atividades serão conduzidas pelo delegado Luiz Humberto Monteiro, da Delegacia Especializada em Acidentes de Trânsitos (Deat).

Segundo a PC, uma perícia no local do acidente foi solicitada ao Instituto de Criminalística, assim como a verificação de testemunhas para prestar depoimento e a captura das imagens da câmera de segurança que registraram o atropelamento. A Polícia Civil completou que o motorista, funcionário da empresa Global Green, será notificado para comparecer na Deat para prestar depoimento.

Empresa fala da assistência

Em um novo comunicado divulgado ontem (13) à imprensa, a Global Green informou que as primeiras informações repassadas sobre o atropelamento – que posteriormente foram contestadas – haviam sido baseadas no relato do condutor do ônibus ao 14º Distrito Integrado de Polícia (DIP). Ainda segundo a Global, as responsabilidades sobre o caso dentro da empresa também estão sendo apuradas. O motorista, segundo a Global, foi demitido.

Publicidade
Publicidade