Quarta-feira, 27 de Maio de 2020
MORTE POR AFOGAMENTO

'Ele foi empurrado', diz família sobre homem que morreu afogado no Rio Negro

Segundo familiares, Almir Pereira da Silva Júnior, 31, foi empurrado por um homem identificado como Marcelo, mas não sabia nadar



show_WhatsApp_Image_2020-03-08_at_17.02.50_F61F0212-E3D1-4020-A262-473198DCBC48.jpeg Foto: Isabelle Almeida
10/03/2020 às 19:52

Familiares do autônomo Almir Pereira da Silva Júnior, 31, acionaram na tarde de hoje (10) a Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), para que esta instaure inquérito policial para investigar a morte dele ocorrida no domingo (8), no flutuante Aquáticos, na margem direita do Rio Negro, por afogamento.

“O meu irmão não pulou na água e morreu afogado como estão dizendo por aí. Ele foi empurrado no rio e, como não sabia nadar, acabou morrendo”, disse uma irmã da vítima, que preferiu manter o seu nome em sigilo.



De acordo com familiares, Almir saiu cedo de casa no domingo e foi para o flutuante com amigos, que não eram conhecidos pela família. Eram três no total: dois homens e uma mulher. Eles estavam se divertindo no flutuante, bebendo e dançando. A vítima fez várias selfies e vídeos do grupo.

Por volta das 11h30, um dos amigos, identificado apenas como Marcelo, empurrou Almir no rio, que ao cair na água desapareceu, pois não sabia nadar. “Os amigos só procuraram por ele meia hora depois”, contou a irmã. Conforme ela, a família só ficou sabendo da morte por volta das 14h40 quando ligaram para o celular dele.

Conforme a irmã, no final da tarde Marcelo foi à casa da mãe do amigo entregar os pertences da vítima para ela e quando a mãe perguntou o que tinha acontecido, Marcelo respondeu: “Nós estávamos brincando e eu o empurrei no rio”, em seguida ajoelhou-se, pediu perdão e saiu.

A partir desse momento, Marcelo desapareceu, desligou o celular. Para a família, Almir foi assassinado e a pessoa que o empurrou no rio tem que ser responsabilizado. “Eu não sei se foi homicídio culposo ou doloso, mas de uma coisa eu tenho certeza ele não pulou no rio, alguém o empurrou”, disse a irmã. 

De acordo com o subtenente do Corpo de Bombeiros Liberato, informações passadas pelos colegas da vítima é que, por volta das 11h30, eles estavam bebendo quando Almir resolveu pular no rio. Conforme os amigos, deste pulo, a vítima não retornou. Os amigos ficaram esperando e como não voltou decidiram cair na água para procurá-lo.

Por volta das 12h30, o corpo foi encontrado há mais de 3 metros de profundidade. 

O Corpo de Bombeiros foi acionado, mas quando chegou ao local a vítima já tinha sido resgatada. O morto foi trazido para o Porto do Corpo de Bombeiros de onde foi removido para o Instituto Médico Legal (IML).

Repórter de A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.