Sábado, 20 de Julho de 2019
DECISÃO

Demissões de 227 funcionários da Amazonas Energia serão feitas até abril

Mês com maior número de demissões será março, quando 150 trabalhadores serão dispensados. Sindicato vai procurar a Justiça do Trabalho



dddddd1.JPG Sindicato tentará reverter demissões
08/02/2018 às 07:07

A demissão em massa de funcionários não concursados da Eletrobras Amazonas Energia, anunciada ontem pela empresa em comunicado extraodinário, deve atingir 227 servidores. A informação é do presidente do Sindicato dos Urbanitários do Amazonas (STIU-AM), Edney Martins, que tratou a medida como "desumana e inconsequente".

Para ele, a medida é resultado do processo de privatização da estatal - que ainda não foi feito mas já foi anunciado como planejada pelo Governo Federal.  Segundo o sindicalista, os funcionários demitidos não receberão rescisão.

“A ação é desumana e inconsequente. Essas pessoas trabalham há mais de 20 anos nesta empresa, já adquiriam várias doenças pelo o tempo trabalhado nesta instituição. Eles estão fazendo esta demissão de maneira irresponsável. A ideia deles é que, para vender, tem que enxugar o quadro de funcionários.  E são descartados sem rescisão contratual. Vão embora mal com o salário do mês”, declara. 

Edney revela que a demissão de vários funcionários experientes da Eletrobras vai impactar negativamente também para o consumidor. Para ele, poderá haver piora no sistema de energia e até encarecimento no valor da conta. 

Neste mês, serão demitidos 44 funcionários, outros 150 serão mandados embora em março, e os outros 33 serão dispensados em abril, totalizando 227 trabalhadores demitidos. O Sindicato vai buscar a Justiça do Trabalho, com a intenção de provar que a demissão dos funcionários é irregular. “Estamos pedindo ajuda aos deputados, vereadores, governadores. Queremos pelo menos a rescisão. E que pelo menos façam uma escala de demissão para que eles alcancem a aposentadoria”, diz Edney.

Privatização é uma das prioridades do governo

O desligamento dos funcionários não concursados da Eletrobras Distribuição Amazonas acontece no momento em que o governo federal concentra esforços na privatização da estatal. Atualmente, o governo vem removendo entraves legais que impedem a desestatização da empresa. 

Na abertura dos trabalhos legislativos no Congresso Nacional, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, destacou a discussão da desestatização da Eletrobras e suas subsidiárias, como a Amazonas Distribuição, entre os temas prioritários.  

Na mensagem ao Congresso, o presidente Michel Temer também enfatizou o projeto de desestatização. A perspectiva é que a pauta seja discutida neste ano pelo Congresso Nacional com a desestatização da Eletrobras e empresas subsidiárias. 

“Temos, hoje, modelo de concessões e privatizações com regras claras e estáveis. Em 18 meses, foram 70 projetos, que correspondem a R$ 142 bilhões em investimentos – e, em 2018, serão 75 outros projetos. São mais e melhores aeroportos, portos, rodovias, ferrovias, linhas de transmissão. É um Brasil de mais produtividade, de mais empregos”, diz a mensagem do presidente.
 

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.