Segunda-feira, 20 de Janeiro de 2020
CORRUPÇÃO

Em 2019, MPF encaminhou 145 ações contra corrupção no Amazonas à Justiça

No balanço da atuação em 2019, o total de ações que visam punir criminalmente os responsáveis por atos de corrupção chegou a 95.



MPF_AM_87CA285F-1D1A-4F49-9681-DA6FAB06BFE7.jpg Foto: Divulgação
16/12/2019 às 10:09

O Núcleo de Combate à Corrupção (NCC) do Ministério Público Federal (MPF) no Amazonas apresentou à Justiça 145 ações de improbidade administrativa e ações penais envolvendo práticas de irregularidades e crimes relacionados a atos de corrupção durante o ano de 2019. Além disso, foram iniciadas 86 investigações, que podem resultar em ações judiciais.

No balanço da atuação em 2019, o total de ações que visam punir criminalmente os responsáveis por atos de corrupção chegou a 95. Já as ações de improbidade administrativa ajuizadas este ano somaram 54. A maioria dos processos têm como alvos principais ex-prefeitos e ex-gestores municipais de cidades do interior do Amazonas.



Para exercer sua atribuição de investigar potenciais casos de corrupção que envolvam, principalmente, a má utilização de verbas federais, o NCC recebe diversas comunicações de órgãos parceiros, como, por exemplo, Controladoria Geral da União (CGU), Tribunal de Contas da União (TCU), Polícia Federal, Receita Federal, Ministério Público do Estado do Amazonas e Tribunal de Contas do Estado do Amazonas (TCE/AM).

Para o procurador da República Thiago Pinheiro Corrêa, coordenador do NCC no Amazonas e procurador-chefe do MPF no estado, o avanço das atuações no combate à corrupção depende do fortalecimento de ações integradas entre esses órgãos.

“O grande desafio que envolve o enfrentamento à corrupção diz respeito à necessidade de incremento na integração entre as instituições voltadas a este fim. A investigação de possíveis atos de corrupção deve ser, ao mesmo tempo, eficiente e de acordo com o devido processo legal”, explicou o procurador.

News portal1 841523c7 f273 4620 9850 2a115840b1c3
Jornalismo com credibilidade

Mais de Acritica.com

20 Jan
trans_8C3DB8BB-BCF9-43E8-B068-3BED79D3DBF5.JPG

Mutirão retifica nomes e assegura identidade de travestis e transsexuais

20/01/2020 às 20:27

Como o procedimento feito diretamente no cartório não é tão simples (a lista de documentos exigidos é extensa) e nem sempre é barato (custa em média entre R$350 a R$ 400), a ação visa não somente facilitar a vida das pessoas transexuais que desejam alterar o nome e gênero de registro em sua documentação de nascimento, como também vai acompanhar e custear a certidão de tabelionato de protestos


Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.