Quarta-feira, 24 de Abril de 2019
publicidade
1.gif
publicidade
publicidade

Manaus

Em clima tenso, reintegração de posse na Zona Oeste de Manaus é suspensa com decisão judicial

Cerca de 300 famílias, parte autointitulada indígena, ocupavam área de aproximadamente 1 milhão de metros quadrados. Um indígena foi ferido e quatro foram detidos. Funai e Polícia Federal tiveram que ser acionados para acompanhar a ação


01/12/2014 às 09:06

CONFIRA GALERIA DE IMAGENS

A reintegração de posse de um terreno particular no bairro Tarumã, na Zona Oeste de Manaus, que teve início nas primeiras horas desta sexta-feira (28), foi cancelada após um defensor público apresentar uma suspensão da liminar no próprio local, quando acontecia um princípio de conflito entre a Polícia Militar e um grupo que se autodenomina indígenas, que integram as 300 famílias que ocupavam a área, que mede, aproximadamente, 1 milhão de metros quadrados.

De acorco com Marcos Leite, comandante da 20ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), a reintegração de posse, que teve início às 5h, partiu de uma decisão judicial da juiza Joana Meireles, mas foi interrompida 6 horas depois. "Às 11h, paralisamos a operação porque um defensor público chegou com a suspensão da liminar, assinada pela desembargadora Socorro Guedes, do TJ-AM (Tribunal de Justiça do Amazonas), que afirmou que a competência para julgar o caso cabe à Justiça Federal", explicou.

publicidade

O responsável pela interrupção do ato foi o defensor público Carlos Alberto Almeida Filho, especializado em ações coletivas. As autoridades chegaram a iniciar a desocupação: fecharam o ramal da Anaconda, que dá acesso ao terreno, e começaram a derrubar os barracos com uso de máquinas pesadas. Um índio ficou ferido durante a ação e outros quatro indígenas foram detidos. “Na hora que chegamos com o oficial de Justiça, eles não quiseram obedecer e alguns indígenas agrediram policiais”, informou Leite. Segundo ele, houve desacato à autoridade e resistência à prisão.


Armados com arcos e flechas, os índios pintados para guerra fizeram uma barreira bem em frente aos policiais, um contigente formado por cerca de 250 militares, além da cavalaria e canil da PM. Funcionários da Fundação Nacional do Índio (Funai) e agentes da Polícia Federal (PF) também foram acionados para acompanhar a operação. 

Às 11h30, a reintegração foi suspensa. Com a retirada das máquinas, tratores e caminhões do terreno, houve grande comemoração por parte do grupo indígena. O índio ferido havia sido levado para o 20º Distrito Integrado de Polícia (DIP), mas posteriormente foi encaminhado à sede da PF. A PM continua no local apenas para garantir a segurança na região.

publicidade
publicidade
Federação de Jiu-Jitsu realiza 8ª edição do Warrios No Gi neste sábado (27)
Alunos de escola municipal no bairro São Francisco ainda não iniciaram ano letivo
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.