Publicidade
Manaus
Manaus

Em Manaus, autônomos faturam e ganham a vida longe das regras dos trabalhos formais

Profissões como vendedores, artesãos, camelôs, artistas, ambulantes entre outras, atuam com frequência na informalidade e têm suas vantagens 16/03/2015 às 12:12
Show 1
Carmem Barbosa realiza vendas de peças de roupas e acessórios pela internet e reúne grupos de amigas para expor os produtos
NATHÁLIA ANDRADE Manaus 9AM)

As vantagens e a flexibilidade do trabalho autônomo fazem com que muitos trabalhadores se sintam tentados a ter o próprio negócio no comércio informal, seja como principal fonte de renda ou como um complemento no orçamento familiar. Profissões como vendedores, artesãos, camelôs, artistas, ambulantes entre outras, atuam, com frequência na informalidade.

É o caso da artesã Patrícia Lima, 36, que há dez anos trabalha por conta própria e não pensa em voltar a atuar no comércio formal. “Quando minha filha mais nova completou um ano nós descobrimos que ela tinha uma doença muito grave e precisava de toda a minha dedicação. Eu trabalhava em loja de shopping e saí do emprego para cuidar dela. Só que o tratamento era muito caro e, para ajudar nas despesas, comecei a fazer artesanato. Pouco tempo depois já estava até dando aulas e não parei mais de produzir”, contou ela, que é autodidata. “Aprendi tudo sozinha”.

Patrícia, que conta com a ajuda da mãe, Lúcia Fátima, 55, na confecção das peças, comanda a marca “Coisinhas de Paty”, que atende encomendas de lembrancinhas e artigos para festas, além de confeccionar produtos voltados para datas sazonais como a Páscoa. “Eu vejo muitas vantagens no trabalho informal. Eu mesma faço meu horário, tiro um único dia para sair e comprar material, posso dar mais atenção aos meus filhos, não enfrento trânsito. Cerca de 80% das contas da casa são pagas com o artesanato. O faturamento mensal fica entre R$ 3 e 4 mil”, estima.

VESTUÁRIO E ACESSÓRIOS

Mesmo trabalhando como funcionária pública, a vendedora autônoma Carmem Barbosa, 39, aposta nas vendas informais para dar um “up” no orçamento e tem colhido resultados positivos. “Trabalho com vendas há dez anos. Comecei com semijoias e bijuterias. Um dia, em uma viagem de férias, resolvi trazer umas peças de roupa para vender e percebi que tinha saída muito melhor do que as semijoias. Depois não parei mais, inclusive meu apartamento comprei com a ajuda das vendas autônomas, sempre conciliando com meu emprego fixo”, frisa.

Depois de dois anos “parada”, Carmem decidiu retomar a atividade e criou a loja virtual “Bella Menina”, que trabalha com peças de vestuário, relógios, óculos, bolsas e outros itens. “Trazemos réplicas de primeira linha de marcas bem conhecidas. O lucro depende muito do tipo de produto, mas nessa última viagem, quando trouxemos produtos de São Paulo, o investimento aproximado foi de R$ 5 mil e, em três dias, o retorno em vendas já tinha sido de R$ 3 mil. Já recebemos até encomendas de outros municípios do Amazonas. As clientes podem ver as peças no Facebook ou no grupo do WhatsApp. Nós garantimos a entrega”, assegura Carmem.

MUDANÇA RADICAL

Dono de um box de brinquedos e acessórios para celular na Galeria Espírito Santo (rua Joaquim Sarmento com 24 de Maio, Centro), o camelô João Souza de Moura, 45, trocou o trabalho no Pólo Industrial de Manaus pela autonomia de trabalhar por conta própria.

“Comecei auxiliando um amigo quando fui demitido. Gostei e entrei de vez no ramo. Considero melhor e mais rentável do que meu emprego anterior. Arrecado um valor entre R$ 1, 5 e R$ 2 mil e pretendo abrir uma outra loja para manter paralela ao box no camelódromo”, diz ele.

É preciso pesar prós e contras

Para o economista Ricardo Matos, 45, vantagens como o não pagamento de impostos não superam as desvantagens. “A não contribuição, a longo prazo, pode não ser tão proveitosa para o autônomo. O ideal é: inicie na informalidade, mas vislumbre a legalização. A não ser que a atividade seja um complemento da renda familiar”, considerou. Para quem pensa em fazer o registro da empresa, o Sebrae disponibiliza a inscrição do empreendedor individual. Informações: www.sebrae.com.br.

Serviço

O que é: Coisinhas de Paty (artesanato)

Contato: 99382-1182/ @patricialima_13 (Instagram) ou www.coisinhasdepaty.com.br

O que é: Loja virtual Bella Menina

Contato: 98116-7888/ 98136-0586 (WhatsApp) ou na fan page Bella Menina (Facebook)

O que é: Box Larissa Brinquedos e acessórios para celular

Contato: 99289-1647/ 98161-0157

Publicidade
Publicidade