Publicidade
Manaus
Manaus

Em Manaus, cooperativa estima vender 13 toneladas de resíduos plásticos

O projeto iniciado no mês de outubro pretende estabelecer metas e focos específicos para as atividades desenvolvidas por entidades que atuam no interesse coletivo de uma determinada comunidade da capital ou interior do Amazonas 14/11/2013 às 11:02
Show 1
“Economistas Solidários” conseguiu ajudar a Associação de Catadores Eco Recicla a realizar uma parceria para vender 13 toneladas de resíduos plásticos para uma empresa de São Paulo
acritica.com Manaus, AM

Promovido pelo Conselho Regional de Economia do Amazonas (Corecon/AM), o projeto “Economistas Solidários” conseguiu ajudar a Associação de Catadores Eco Recicla a realizar uma parceria para vender 13 toneladas de resíduos plásticos para uma empresa de São Paulo a um preço melhor do que o oferecido em Manaus. Atualmente, a entidade recebe consultoria gratuita do conselho.

Coordenado pelos economistas Ricardo Maia e Denise Kassama, o projeto iniciado no mês de outubro pretende estabelecer metas e focos específicos para as atividades desenvolvidas por entidades que atuam no interesse coletivo de uma determinada comunidade da capital ou interior do Amazonas através das diretrizes da Economia Solidária.

Sobre a situação da Cooperativa Eco Recicla, o economista Ricardo Maia afirmou que o desafio agora será o transporte dos produtos. “Infelizmente, ainda não conseguimos o transporte para São Paulo, estamos buscando parceria. Em Manaus, tanto para o atravessador, quanto para quem compra diretamente o valor é de R$ 0,80/Kg, enquanto que em São Paulo é de R$ 2,10, ou seja, mesmo com o custo do frete o valor ainda fica interessante”, explicou.

De acordo com o economista, os catadores precisam se preparar para suprir demandas dentro e fora do mercado local. “Existe a necessidade de adequação dos trabalhos hoje realizados, além disso e preciso conseguir parcerias para o transporte desse material até São Paulo, onde o preço é mais convidativo do que em nossa região, sem passar pelos atravessadores”.

Entre os pontos principais a serem trabalhados durante a consultoria dos Economistas Solidários, destacam-se: a padronização dos processos e sinalização dos pontos de coletas, bem como a divulgação destes pontos; planejamento das atividades de coleta; formação de preço; organização funcional; formação básica de técnicas administrativas.

A economista Denise Kassama afirmou que o projeto pretende mostrar aos empreendedores a importância do desenvolvimento com sustentabilidade. “Especificamente, na Cooperativa Eco Recicla, temos 71 catadores divididos em 12 bases na cidade. O desafio certamente será bem maior, visto que há uma necessidade de direcionar esses profissionais para uma visão melhorada e ampliada de seu negócio, bem como formatar o modelo atual para um mais sustentável”, afirmou Denise.

O presidente do Corecon/AM, Marcus Evangelista, destaca que as dificuldades e desafios de uma iniciativa como a do projeto Economistas Solidários é grande, porém, o comprometimento e o empenho dos profissionais e estudantes tem sido essencial para o bom desenvolvimento do trabalho. “Continuamos convidando aos economistas e estudantes que quiserem participar do projeto. É uma causa nobre, além de ser um mecanismo de contribuirmos para a melhoria de vida de diversos trabalhadores”.


Publicidade
Publicidade