Publicidade
Manaus
Manaus

Em Manaus, morre aos 88 anos o ex-senador Evandro Carreira

Político estava internado em hospital com complicações cardíacas e pulmonares. Senador em 1974 pelo Amazonas, Carreira defendia exploração dos produtos da região. Velório ocorrerá na funerária Almir Neves, Centro de Manaus 22/12/2015 às 12:00
Show 1
Evandro Carreira foi senador pelo Amazonas
OSWALDO NETO Manaus (AM)

Morreu aos 88 anos o ex-senador Evandro Carreira na manhã desta terça (22). O político estava internado no hospital Santa Júlia, Centro, e respirava pela ajuda de aparelhos há cerca de uma semana. Carreira ficou conhecido no cenário político como um homem a frente de seu tempo por discutir a Amazônia em âmbito nacional e combater o Regime Militar enquanto senador pelo Amazonas, em 1974.

Segundo informações do presidente do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) – partido no qual Carreira estava filiado há seis anos - Mário Barros, Carreira apresentava complicações pulmonares e cardíacas quando foi internado no hospital.

“O PSDB está lamentando pela perda desse grande amazonense, que nos escolheu como seu ultimo destino ideológico. Entendemos inclusive que as obras e o pensamento eram de um homem visionário, muito a frente do seu tempo. As questões de meio ambiente, sustentabilidade e desenvolvimento muitas vezes foram incompreendidas. O seu legado será muito estudado por estudantes e pesquisadores”, declarou o líder do partido.

O prefeito de Manaus, Artur Neto (PSDB), decretou luto de três dias pelo falecimento do ex-senador. “Eu não cobrava dele coerência apolínea. Afinal, nada mais dionisíaca que a personalidade de Evandro das Neves Carreira. Figura singular, que só se assemelhava a ela mesma. Figura ímpar, que não foi fabricada em série, porque era excepcional, original e forte”, disse Artur.

O corpo de Evandro Carreira será velado na funerária Almir Neves, localizada na rua Monsenhor Coutinho, Centro, a partir de 12h. 

Evandro Carreira

Evandro Carreira era formado em Direito pela Universidade Federal do Amazonas em 1960, com especialização em filosofia do Direito, Direito Penal, Juri e Direito Constitucional. O político foi eleito vereador de Manaus em 1959, reeleito em 1963 e senador em 1974 pelo Movimento Democrático Brasileiro.

Socialista por vocação, Carreira era conhecido como um político polêmico em suas declarações. Em entrevista concedida A CRÍTICA em 2011, ele declarou que a prefeitura, na época comandada por Amazonino Mendes, estava frágil e sem conteúdo. “Eles estão frágeis, porque não têm conteúdo, não têm mística. Não tem sociologia amazônica. Não pode funcionar. Ficam dependendo do que caiu do céu. Dependendo de uma Zona Franca que é só aparafusamento, de um decreto”, disse ele.

Evandro Carreira acreditava na exploração dos produtos da região. “O governo tem que ser amazônico. Tem que desenvolver as potencialidades da terra, o que é nativo, o que é nosso. A China está produzindo Tambaqui, por que nós não produzimos? Ninguém cria. Ninguém exporta um rabo de tatu”.

Carreira também tinha um discurso a favor dos gays. “Já foi provado que o homossexualismo não é crime. É genético. O sujeito já nasce homossexual. O cérebro dele é homossexual. Não adianta. Ele tem que ser tratado com carinho, com amor. Ele é um ser vivo. Só que é um pouquinho diferente”. 

Publicidade
Publicidade