Publicidade
Manaus
Padroeira do Brasil

Em Manaus, procissão de Nossa Senhora Aparecida reúne 48 mil fiéis

Os devotos aproveitaram a data para pagar promessas, fazer pedidos e principalmente agradecer pelas graças concedidas por intermédio de Aparecida, cuja imagem foi encontrada há  300 anos por pescadores no rio Paraíba, no interior de São Paulo 12/10/2016 às 19:04 - Atualizado em 12/10/2016 às 22:03
Show aparecida01
Eles participaram da missa campal presidida pelo bispo auxiliar da arquidiocese de Manaus,  Dom José Albuquerque, em frente ao santuário, na rua Alexandre Amorim. Foto: Márcio Silva
Luana Carvalho Manaus

De acordo com a Polícia Militar, ao menos 48 mil fiéis de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, participaram da procissão na tarde desta quarta-feira (12), pelas ruas do bairro que leva o nome da santa, na Zona Sul de Manaus. Neste momento, eles estão reunidos na missa campal presidida pelo bispo auxiliar da arquidiocese de Manaus,  Dom José Albuquerque, em frente ao santuário, na rua Alexandre Amorim. 

Os devotos aproveitaram a data para pagar promessas, fazer pedidos e principalmente agradecer pelas graças concedidas por intermédio de Aparecida, cuja imagem foi encontrada há  300 anos por pescadores no rio Paraíba, no interior de São Paulo.

Há 23 anos a devota Francinete Carreiro, 43, faz distribuição de água na rua Epaminondas, onde mora com a família. "Distribuímos água para quem tem fé. Não é pagamento de promessa, e sim agradecimento pela vida e bençãos de Deus. A água é vida e dessa forma expomos nosso agradecimento", disse. Ela começou com a tradição com apenas 40 litros de água. Hoje, pelo menos 300 litros foram distribuídos aos fiéis, com a ajuda de vizinhos.

Na mesma rua, a aposentada Cristina Lúcia Barros, 58, que nasceu e se criou no bairro Aparecida, prepara um pequeno santuário com uma imagem que encontrou no lixo. "Sou devota de Nossa Senhora Aparecida desde criança e a  imagem que uso encontrei no lixo. Senti que aquilo era uma benção, pois a imagem verdadeira foi encontrada no rio, quebrada, bem como estava a imagem que encontrei".

Neste ano, a devota Maria de Fátima Spencer, 50, fez a romaria descalça em agradecimento à saúde da mãe, Maria de Nazaré, 96, a baiana mais antiga da Escola de Samba Aparecida. "Minha mãe participa há mais de 30 anos e este ano, por problemas de saúde, não pôde comparecer. Vim por ela, trazendo no meu coração e agradecendo pela saúde".

Nesta quinta-feira (13), a festividade continua com o Festival de Música Católica, na igreja de Nossa Senhora Aparecida,  às 18h. No sábado, o arcebispo de Manaus Dom Sergio Castriane vai presidir a missa para encerrar as comemorações em homenagem aos 300 anos de aparição da imagem.

Publicidade
Publicidade