Publicidade
Manaus
DIREITOS

Em seis meses, Susam registra mais de 50 acidentes de trabalho em Manaus

Dos 54 acidentes de trabalhos graves notificados no Hospital e Pronto-Socorro Dr. Platão Araújo, 47 tiveram homens como vítimas. Professor de curso em Segurança do Trabalho alerta sobre direitos em caso de acidente 30/08/2016 às 12:14
Show acidente
Segundo a Susam, 47 casos registrados tiveram homens como vítimas (Foto: Divulgação)
acrítica.com Manaus (AM)

A cada três dias, em média, um trabalhador recebe atendimento médico no Hospital e Pronto-Socorro Dr. Platão Araújo, na Zona Leste de Manaus, após se acidentar no ambiente de trabalho ou a caminho dele. Os dados, referentes ao período entre janeiro e junho deste ano, são da Secretaria Estadual de Saúde (Susam). O professor Erivan Glaucio Soares, do Curso Superior Tecnólogo em Segurança do Trabalho, da Faculdade Estácio, alerta que o empregado deve atentar para os seus direitos em caso de acidente e, principalmente, ao que deve ser feito para prevení-los.

Soares explica que, muitas vezes, os trabalhadores conhecem os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), porém, não têm plena compreensão de sua utilidade na prática, o que acaba por gerar condições inseguras pela retirada, mesmo que momentânea, das ferramentas. “É o capacete que esquenta a cabeça devido à exposição ao sol, as luvas que ‘tiram a sensibilidade’ no manuseio, os óculos que incomodam devido ao suor na operação de maçaricos. Aí o trabalhador tira o equipamento ‘rapidinho’ e já está exposto ao perigo. É de fundamental importância a participação ativa do empregador, não só como agente fornecedor dos EPIs necessários, mas realizando o monitoramento de seu uso nos ambientes e cenários nos quais são indispensáveis”, observou.

Dos 54 acidentes de trabalho graves notificados na unidade hospitalar da Susam, no primeiro semestre deste ano, 47 tiveram como vítimas empregados do sexo masculino. Para Erivan, esses dados reforçam que, mesmo com uma forte e cada vez mais ativa presença da mulher no mercado de trabalho, alguns postos ou áreas de atuação, a exemplo da construção civil, ainda são ocupados, em sua maioria, por homens.

“Além disso, historicamente, mulheres apresentam comportamento muito mais zeloso ou atitudes mais ‘seguras’ do que homens. Isto é claramente perceptível nos indicadores de acidentes de trânsito – que mostram que eles se envolvem mais em situações dessa natureza”, ressaltou.

Impactos e cortes por ferramentas manuais e a motor estão entre as principais causas dos acidentes laborais que resultaram em atendimento no HPS Dr. Platão Araújo. Além dessas, o professor da Estácio destaca a ocorrência de quedas e choques elétricos.

Publicidade
Publicidade