Publicidade
Manaus
PROGRAMADO

Empresa diz que queda de balão foi programada e pede desculpas por surpresa

Alphabet, que é parceira do Google, explicou que a descida do equipamento em área remota, próximo à Comunidade Pauru, foi gerenciada pela equipe 01/03/2017 às 19:13 - Atualizado em 01/03/2017 às 19:13
Show autazes
(Foto: Divulgação)
Kelly Melo Manaus (AM)

A empresa Alphabet, que é dona do projeto Loon, que visa levar internet para regiões remotas e população de baixa renda no mundo inteiro, informou que a queda do balão registrada na última segunda-feira, em uma comunidade em Autazes, não foi um acidente. A empresa, que é parceira do Google, explicou que após um vôo de rotina coordenou o controle de tráfego aéreo e gerenciou a descida do equipamento. 
“Coordenamos com o controle de tráfego aéreo local para gerenciar a descida segura e lenta do balão para uma parte remota de Manaus, próximo à Comunidade Pauru”, explicou a empresa por meio de nota. 

Ainda de acordo com a empresa, uma equipe já está a caminho para recuperar o balão, e pediu desculpas pelo “incidente”. “Agradecemos a hospitalidade da comunidade local, e desculpas pela surpresa!"
O balão do projeto Loon foi encontrado na comunidade Supuranga, em Autazes (distante 113 quilômetros de Manaus) na manhã da última segunda-feira (27). 

De acordo com testemunhas, o balão foi encontrado por moradores do local em uma área de mata, mas ninguém ficou ferido. O acidente chamou a atenção dos moradores, que temem que outros  acidentes dessa natureza se repitam em áreas onde há moradias.

De acordo com o site do Loon, lançado em 2014 no Brasil, o projeto é uma rede global de balões de altitude elevada que tem o de levar conectividade a áreas rurais e remotas. Os balões  sobem da mesma forma que os balões meteorológicos até atingirem a estratosfera, onde flutuam a uma altitude de 20 km (65.000 pés), a uma distância segura em relação às altitudes utilizadas para aviação.

Enquanto os balões de ar estouram após poucas horas de voo, os balões do Loon são feitos para sobrepressão, o que faz com que durem muito mais tempo. Os balões do Loon também são exclusivos porque podem usar o vento para viajar até onde for necessário, podem se coordenar com outros balões e por contarem com componentes eletrônicos totalmente alimentados por energia solar.

Publicidade
Publicidade