Publicidade
Manaus
VIOLÊNCIA

Empresária é agredida por homem após ser confundida com travesti em Manaus

Sandy Salum afirma que após ser ofendida e empurrada, o homem tentou fugir em um táxi 12/10/2018 às 20:22 - Atualizado em 12/10/2018 às 21:05
Show mulher 0ebd64f7 ba87 4677 8c66 d6f4780bb2da
Empresária Sandy Salum. Foto: Divulgação
Silane Souza Manaus (AM)

A empresária Sandy Salum, uma das participantes do “Peladão a Bordo – O Reality” de 2017, da TV A Crítica, foi agredida verbal e fisicamente por volta de 6h30, desta sexta-feira (12), quando saia de um show realizado na Zona Oeste de Manaus. De acordo com ela, o ataque estaria ligado à intolerância, já que o rapaz que praticou a agressão a confundiu com uma travesti. Ela afirmou que vai registrar um Boletim de Ocorrência neste sábado.

Segundo a empresária, ela estava saindo da festa, acompanhada pela amiga Patrícia Magno, outra participante do “Peladão a Bordo – O Reality”, quando um rapaz passou por elas e mexeu com as duas. Ambas falaram para ele sair fora e foi quando a agressão começou. “Ele disse pra mim: sai daqui travesti do cara***, escória da humanidade, sua puta e me empurrou”, contou.

Depois de tê-la empurrado, conforme Sandy, o rapaz correu e entrou num táxi. Na mesma hora ela correu atrás dele, tirou ele de dentro do táxi e começou a bater nele. A empresária disse que reagiu desta forma porque é a segunda vez que um caso como este acontece com ela. “Ele ficou gritando na frente de todo mundo. Uma coisa dessas não pode ficar impune, mesmo eu sendo uma mulher ou uma travesti. E se eu fosse uma travesti? Ninguém tem o direito de encostar em ninguém só porque este é diferente”, afirmou.

Ainda conforme Sandy, vários homens a defenderam depois que a confusão começou. Mas ela acredita que se realmente fosse uma travesti ninguém teria feito isso. “Com certeza não fariam nada, ficariam rindo da situação. Isso me abalou muito. Tenho muitos amigos gays e travestis, se isso acontece comigo, que sou mulher e mãe, imagina com eles? Deve ser pior. O joelho ralado não é nada, mas estou perplexa com o nível que o ser humano chega, de repente e do nada”, disse, ressaltando que não admite desrespeito. “Intolerância nunca, jamais”, concluiu.

Publicidade
Publicidade