Publicidade
Manaus
SAÚDE

Empresas médicas chegam a acordo com governo e não paralisarão serviços, diz Susam

Em documento, Secretaria se comprometeu a dar condições necessárias para a prestação do serviço médico nas unidades de saúde e a realizar pagamentos na quarta-feira (21) 16/11/2018 às 14:25
Show susam 88d4c159 2435 4e97 89e4 ab1cb45630ba
Foto: Divulgação
acritica.com Manaus (AM)

As empresas médicas que prestam serviço ao Governo do Amazonas, decidiram, em reunião com o secretário estadual de Saúde, Francisco Deodato, nesta sexta-feira (16), que não haverá paralisação nos serviços de saúde, como haviam anteriormente divulgado. A informação foi divulgada pela Secretaria de Estado de Saúde (Susam).

Em comunicado, a Susam afirma que empresas médicas pactuaram uma nota conjunta estabelecendo os pontos acordados com a secretaria.

O secretário Francisco Deodato declarou que os serviços não serão paralisados e que o Governo sempre acreditou no bom senso e boa vontade das partes envolvidas.

“O Governo confia e respeita o trabalho médico exercido pelas referidas empresas. Esperamos continuar contando com a dedicação e compromisso desses profissionais”, afirmou.

Participaram da reunião os representantes das 15 empresas médicas prestadoras de serviços à Susam.

O documento acertado entre as partes estabelece que não haverá paralisação dos serviços por parte das empresas médicas, como havia sido noticiado na imprensa; serão executados, a partir da próxima quarta-feira (21), os pagamentos integrais estabelecidos nos Termos de Ajuste de Conduta (TACs) assinados pela atual gestão; os pagamentos acordados, resultantes dos recursos oriundos da Lei 4.695 de 14 de novembro de 2018, serão executados em duas parcelas, sendo iniciados na quarta-feira e encerrando no dia 7 de dezembro - a segunda, iniciando no dia 10 até o dia 21.

Na nota, a Susam também se compromete a dar as condições de trabalho necessárias e adequadas para o pleno funcionamento da prestação do serviço médico nas unidades de saúde até o final da atual gestão.

Ficou ainda definido que na primeira semana de dezembro ocorrerá uma reunião com as presenças dos secretários de Saúde, da Fazenda (Sefaz) e os representantes das empresas médicas.

Publicidade
Publicidade