Publicidade
Manaus
NOVE DESAPARECIDOS

Empurrador de balsa e navio mercante que vinha de Suape se chocam no Rio Amazonas

Nove das 11 pessoas que estavam a bordo do empurrador do comboio de balsas permanecem desaparecidas 02/08/2017 às 22:39 - Atualizado em 02/08/2017 às 22:40
Show capturar
Acidente ocorreu por volta das 4h30 da madrugada de ontem (Foto: Divulgação)
Kelly Melo Manaus (AM)

Nove das 11 pessoas que estavam a bordo do empurrador do comboio de balsas da empresa Bertolini que colidiu com o navio mercante “Mercosul Santos”, no rio Amazonas, nas proximidades do município de Óbidos, no Pará, permanecem desaparecidas. O acidente aconteceu na madrugada de ontem. O empurrador afundou devido o choque com o navio cargueiro. 

Os desaparecidos foram identificados como Carlos Eduardo Bueno de Souza, César Lemos da Silva, Cleber Rodrigues Azevedo, Dárcio Vânio Rego, Dick Farney de Oliveira, Euclinger da Silva Costa, Ivan Furtado da Gama, Juraci dos Santos Brito e Wandel Ferreira de Lima. Todos eles eram tripulantes da embarcação. Além deles, outras duas pessoas estavam a bordo do empurrador e foram resgatadas com vida. 

O comandante da Capitania Fluvial de Santarém (CFS), Ricardo Barbosa, disse que uma equipe de cinco militares da capitania e três mergulhadores do Corpo de Bombeiros foram designados para o local do acidente, não só para apurar as causas mas também para realizar as buscas aos desaparecidos.  

“Essas embarcações são dotadas de equipamentos para coibir esse tipo de acidente, então só após a conclusão do inquérito é que vamos poder esclarecer as causas e as responsabilidades do acidente”, explicou. O inquérito possui um prazo de 90 dias para ser concluído podendo ser prorrogado caso haja necessidade. 

Durante todo o dia de ontem, os representantes da Bertolini, em Santarém, receberam familiares dos desaparecidos para prestar assistência. A CRÍTICA tentou contato com o gerente da empresa no município paraense, Juraci Neri, mas até o fechamento da edição, no início da noite,  não conseguiu retorno.  

Investigação

De acordo com a Marinha do Brasil, o acidente ocorreu por volta das 4h30 de ontem, mas só tomou conhecimento às 6h. A colisão entre as embarcações provocou o naufrágio do empurrador.  
Segundo o comandante da Capitania de Santarém, Ricardo Barbosa, o comboio da Bertolini  saiu de Porto Velho (RO) com destino à Santarém, e transportava uma carga de milho. Já o navio mercante “Mercosul Santos”, saiu do porto de Suape, em Recife (PE), com destino à Manaus. A embarcação transportava carga geral em containeres. 

Apesar do naufrágio, a capitania disse que não há informações sobre  vazamento de óleo ou qualquer outro dano  ambiental causado após o acidente. 

Além dos militares do município de  Santarém, a Marinha também enviou, de Belém, o Navio Patrulha “Bocaina”  para Óbidos para apoiar nas buscas dos desaparecidos  e coletar informações preliminares que vão auxiliar na apuração do acidente. 

Profundidade: 70 metros

De acordo com o Corpo de Bombeiros, a região onde aconteceu o acidente o rio Amazonas tem profundidade de até 70 metros, o que pode dificultar as buscas.  O navio mercante “Mercosul Santos”, da empresa Mercosul Line, tinha como destino Manaus. A CRÍTICA também tentou contato com a empresa em Manaus e  na matriz, em Santos (SP), porém não obteve resposta até o fechamento da edição. Os dois sobreviventes foram resgatados e levados para Santarém.

Publicidade
Publicidade