Publicidade
Manaus
POSICIONAMENTO

Escolas particulares de Manaus aderem à greve geral e suspendem aulas

Pelo menos três grandes escolas da cidade se manifestaram a favor da paralisação desta sexta-feira; outras cancelaram aulas por preocupação com a mobilidade e segurança 27/04/2017 às 16:50 - Atualizado em 27/04/2017 às 16:53
Show greve
Escolas usaram Facebook e e-mail para avisar os pais sobre a suspensão das aulas
acritica.com Manaus (AM)

Por conta das paralisações anunciadas por pelo menos trinta categorias de trabalhadores no Amazonas, que estão aderindo à greve geral no País por conta das reformas, escolas particulares de Manaus anunciaram suspensão das atividades nesta sexta-feira.

O Centro Educacional Adalberto Valle, em nota publicada em seu Facebook, afirma que o País passa por um " momento político delicado, que merece atenção, discussão e reflexão".  A escola justifica que a suspensão se dá em virtude deste momento político e " do descontentamento com a classe política que atravessamos".  " Incentivamos e encorajamos nossa comunidade escolar a participar deste momento cívico de nosso país", completa a nota.

O Colégio Preciosíssimo Sangue também adotou um tom mais crítico em seu comunicado, atribuindo a suspensão da aula à decisão de aderir ao movimento proposto pela sociedade. "O primeiro motivo que endossa nossa decisão é a falta de discussão com a sociedade sobre: Reforma da Previdência Social (PEC 287); Reforma Trabalhista (PL 678); Lei da Terceirização (já aprovada L. 13429/19); Reforma política, entre outras", diz a nota.

A escola cita ainda, como motivo secundário, a greve anunciada pelos rodoviários como parte do movimento desta sexta-feira. "Nesse dia se prevê dificuldade de locomoção pela cidade, sobretudo para quem depende de transporte público".

O Centro Educacional Santa Teresinha também se posicionou de maneira crítica, comunicando, em nota, a " adesão ao movimento proposto pela sociedade brasileira, de paralisação de todos os setores da sociedade, apoiando a Greve Geral contra as reformas do governo Temer". A escola justifica ainda que " não pode se eximir desta hora tão importante e decisiva para a construção de um futuro melhor para o nosso País".

Mobilidade preocupa

Em comunicado enviado aos pais por e-mail, as escolas Idaam informam que as aulas estão suspensas com o objetivo de garantir a segurança dos alunos, "uma vez que não temos como dimensionar a proporção do impacto na mobilidade urbana da cidade". 

No mesmo tom, a Creche Escola Vida comunicou que não vai funcionar por conta da adesão dos rodoviários à greve geral, "levando-se em conta que mais de 50% dos colaboradores da escola utilizam transporte público".

O Colégio Dom Bosco também confirmou, por telefone, que as atividades da escola estão suspensas nesta sexta-feira, e informou que os pais seriam avisados em um comunicado levado pelos alunos sobre os motivos da suspensão.

Rede Pública

Tanto o Governo do Estado como a Prefeitura de Manaus afirmaram, por meio de nota, que o funcionamento de todo o serviço público - incluindo as escolas - não seria afetado nesta sexta-feira. No entanto, o Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Amazonas (Sinteam) e outros grupos de professores independentes, como o Sindicato dos Professores e Pedagogos de Manaus (Asprom), já anunciaram adesão à greve geral. Com isso, as aulas nas escolas públicas devem ser afetadas. 

Publicidade
Publicidade