Publicidade
Manaus
Manaus

Escolas particulares de Manaus divulgam reajustes na mensalidade de até 15% a mais

Estabelecimentos de ensino devem divulgar os novos valores até 45 dias antes do término do período de matrícula 17/10/2014 às 08:56
Show 1
O presidente do Sinepe-AM, Paulo Ribeiro, disse que custos das escolas e inflação alta contribuíram para o aumento
Juliana Geraldo Manaus-AM

Pais com filhos matriculados em escolas particulares de Manaus devem ter uma surpresa desagradável nos próximos dias. As coordenações das escolas já começaram a divulgar o valor do reajuste na mensalidade de 2015. Em alguns estabelecimentos, o acréscimo em cima do valor pago este ano pode chegar a 15%, mais que o dobro em relação ao índice oficial da inflação (6,5%) e superior ao reajuste de 8,8% do salário mínimo no início do ano.

No Pinochio Centro Educacional (Ensino Fundamental) e no colégio Martha Falcão (Ensino Nédio), que fazem parte do grupo Instituições Educacionais Nelly Falcão de Souza (INFS), por exemplo, o reajuste médio será de 11%. Com a correção, a mensalidade para uma criança que cursa o ensino fundamental 1 passará a custar R$ 1.215 e o valor mensal para um aluno do segundo ano do ensino médio, vai custar R$ 1.475.

O assessor financeiro da instituição, Carlos Riffe, explicou que os reajustes foram calculados em cima de um novo formato de ensino na escola, que a partir do ano que vem caminha para o modelo semi-integral. “Alunos de algumas séries passarão a ter aulas de três a cinco vezes por semana pela parte da tarde com atividades extracurriculares. Essa modificação justificou o aumento. O reajuste não foi arbitrário”, explicou.

Pais reclamam

Em outros estabelecimentos de ensino, a situação foi semelhante. Nas Escolas Idaam, a supervisora de vendas, Doralice Ribeiro, contou que o acréscimo foi de quase 15%. Segundo ela, a mensalidade da quarta série pulou de R$ 536 por mês para R$ 616. “Eu ainda tenho o benefício do convênio, mas os pais que precisam pagar o valor integral devem estar tão surpresos quanto eu fiquei”, disse.

De acordo com ela, a situação tem ainda dois agravantes. O primeiro seria a falta de justificativa da escola sobre a razão do acréscimo no valor da mensalidade. O segundo seria a obrigatoriedade imposta aos pais de pagar antecipadamente a mensalidade de janeiro para ter a vaga assegurada. “Recebi o informe da correção no final de setembro e ainda este mês preciso efetuar o primeiro pagamento de 2015 para garantir a rematricula”, queixou-se.

Já a auxiliar administrativa, Andrea Ribeiro, que tem um filho cursando o segundo ano do ensino médio no Colégio La Salle, ainda não recebeu o informativo, mas já teme pelas ‘más notícias’. “Este ano, estamos pagando R$ 877 por mês. Imagina depois do aumento”, comentou.

Custos norteiam aumento

Em 2014, o reajuste médio das mensalidades das escolas particulares em Manaus foi de 10%. Para 2015, o presidente do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino Privado do Estado do Amazonas (Sinepe-AM), Paulo Sérgio Ribeiro, disse ainda ser cedo para informar qual será essa média de correção.

Entretanto, ele explicou que as escolas seguem critérios apoiados na Lei Federal nº 9.870/99 para definir o valor de suas anuidades. “Entre eles estão o reajuste salarial dos professores, a variação do custeio administrativo, a introdução de novos projetos pedagógicos e a taxa de inadimplência”, citou.

Ele defendeu que o reajuste é necessário, visto que as escolas só podem repassar a variação de seus custos uma vez ao ano, mas ponderou que os pais devem fazer os cálculos necessários para não sobrecarregar o orçamento.

Publicidade
Publicidade