Publicidade
Manaus
32 anos em Manaus

Irmãs salesianas buscam apoio para continuar atendimento às crianças

A instituição é de caráter filantrópico, mas para manter a estrutura que a escola possui hoje, elas precisam, todos os meses, realizar atividades e eventos para sustentar o projeto que atende mais de 300 crianças, entre surdas e ouvintes 15/10/2016 às 05:00
Show felippo smaldone
Irmãs salesianas administram o projeto há 32 anos em Manaus. (Evandro Seixas)
Kelly Melo Manaus (AM)

Em tempos de crise, é preciso ter criatividade e boa vontade para sair do vermelho quando o fim do mês se aproxima. Essa dura realidade é vivida por milhões de brasileiros e assim como eles, o Instituto Filippo Smaldone (Centro Educacional de Audição e Linguagem do Amazonas – Cealam), localizado no bairro Planalto, na Zona Centro-Oeste, não tem medido esforços para continuar atendendo crianças com deficiência auditivas da região metropolitana. 

A instituição é de caráter filantrópico, dirigido por quatro irmãs salesianas. Mas para manter a estrutura que a escola possui hoje, elas precisam, todos os meses, realizar atividades e eventos para sustentar o projeto que atende mais de 300 crianças, entre surdas e ouvintes. 

Apesar de aparentar ser uma casa nova, o Instituto é antigo e a manutenção é cara. Boa parte da mobília foi doada por benfeitores, mas ainda assim, há espaços que estão fechados por falta de profissionais. 

Um exemplo é o laboratório de odontologia que deixou de funcionar há aproximadamente três anos porque a instituição não tem como arcar com as despesas de um dentista. “Temos a ajuda de alguns benfeitores, mas com a crise, mesmo essas pessoas já não podem ajudar como antes. Tem meses que os nossos funcionários ficam até dois meses sem receber e quando a gente tem dinheiro, fazemos um sorteio para saber quem a gente vai pagar para tentar ser mais justo”, explicou a diretora administrativa, irmão Maria Damasceno. 

Ela elogiou o trabalho nos profissionais que acreditam no projeto e mesmo com todas as dificuldades, não abandonam a ideia. “Acredito que as pessoas que vem pra cá, é Deus que coloca. Porque sem eles, seria ainda mais difícil”, disse. 

A assistente social Geisy Arruda explicou que o Smaldone tem a preocupação de levar a educação inclusiva para crianças de baixa renda. “Aqui, essas crianças são atendidas por uma equipe multidisciplinar, todas aprendem a Língua Brasileira de Sinais e aprendem a conviver em comunidade. É um trabalho que exige muita dedicação”, disse ela. 

Noite Italiana
Para ajudar na manutenção da escola, o Instituto vai realizar no dia 29 a “Noite Italiana”, um evento que tem o objetivo de divulgar a cultura italiana. Os alunos irão não só se vestir com roupas típicas do país europeu, como também apresentar um espetáculo de dança italiana. Os ingressos estão sendo vendidos à R$ 50. 
 

Apoio na interação social
A pedagoga Núbia Miranda, 45, é mãe de um adolescente surdo, de 13 anos, e afirma que a escola ajudou o filho dela conviver em comunidade. “O Mateus chegou a estudar em colégio regular, mas a adaptação dele não foi tão boa quanto aqui. Os professores tem uma atenção redobrada com os alunos, ajudam a se comunicar em libras e o ensino é uma referência para ele”, disse. 

A publicitária Janaína Ferreira, 38, é mãe do pequeno João, de dois anos, que frequenta a escola desde o início do ano, e conta que não consegue ficar de braços cruzados e gosta de ajudar, no que for possível, a manutenção do instituto. 

“O meu filho é ouvinte, mas o tratamento que ele tem é o mesmo que as outras crianças surdas. A existência desse tipo de iniciativa é importante porque milhares de famílias são atendidas e, a maioria delas, pessoas de baixo poder aquisitivo. Por isso não posso ficar de braços cruzados”, contou ela, que sempre participar dos bazares que realizados no Centro, para garantir a manutenção do mês seguinte. 


Dez anos de canonização e 32 anos de escola
Este mês, o Instituto Filippo Smaldone comemora 32 anos de existência em Manaus. A data coincide com os 10 anos da canonização do padre italiano Filippo Smaldone, fundador da Congregação das Irmãs Salesianas dos Sagrados Corações, considerado como pai e mestre dos surdos. Além d Brasil, o instituto também está presente no Paraguai, África, e Maldivia. 

 

 

Publicidade
Publicidade