Publicidade
Manaus
AVENTURA

Dupla de espanhóis que viajou do Equador ao Amazonas de canoa retorna para casa

Javier, 31, e Manoel, 25, estiveram os últimos sete dias em Manaus descansando após três meses percorrendo rios e comunidades amazônicas 31/07/2017 às 05:00
Isabelle Valois Manaus (AM)

Ontem embarcou de volta para casa o espanhol aventureiro Javier Colorado, 31. Ele esteve em Manaus durante os últimos sete dias descansando de uma longa viagem que realizou na companhia do amigo, o fotógrafo Manoel de Salvador, 25, também natural de Madrid. Desde o dia 20 de abril, a dupla tem percorrido os rios amazônicos em um viagem de canoa. O ponto de partida foi no Equador com o destino final a capital do Amazonas. Praticamente foram três meses conhecendo a Amazônia por outro ângulo como também a vida do ribeirinho.

Javier é o único homem dos quatro filhos do casal formado pelo engenheiro Cândido Colorado, 69, e a funcionária pública Lourdes Soriano, 60, que aguardam hoje o filho no aeroporto de Madrid. Formado em engenharia química, o espanhol resolveu, desde aos 27 anos, que queria viver a vida diferente, viajando pelo mundo por um meio que pudesse conhecer de perto bem a realidade de cada região onde fosse passar. A primeira viagem foi de bicicleta, e quando passou pelo Equador ouviu a história que outro rapaz tinha feito uma viagem de canoa do Equador até Manaus.


Foto: Manoel de Salvador

O espanhol ficou encantado com a ideia e prometeu para si que quando terminasse a viagem de bicicleta iria buscar recursos para fazer a viagem de canoa pelos rios amazônicos. Quando chegou na África, Javier conheceu Manoel que também viajava o mundo de bicicleta. Foi nesse encontro que a ideia da aventura na canoa se fortaleceu. Quando retornaram para Madrid, os mais novos amigos foram em busca de patrocínio e os três meses pelos rios amazônicos se transformará em um documentário a ser transmitido nas tevês espanholas.

Manoel e Javier viajaram de Madrid no dia 1 de abril com destino ao Equador. Por lá eles conheceu o senhor Francisco Orelhana que os conduziu até a comunidade 12 de fevereiro, onde foram construídas as duas canoas que foi o transporte principal desta aventura na Amazônia. Javier se envolveu na confecção das canoas de Ceiba (madeira utilizada nos flutuantes, conhecidas por boiarem) e também no translado.


Foto: Manoel de Salvador

A paixão pela canoa foi tanta que, durante esta semana em Manaus, estava buscando meios de conseguir transportá-la para Madrid. Na cidade natal, ele pretendia vender a canoa e todo o dinheiro arrecadado enviaria para os amigos carentes que fez durante a primeira viagem de bicicleta, quando passou pela África.

Na internet

Javier tem um canal no YouTube onde é possível acompanhar alguns trechos das aventuras pelos rios das Amazônia. Além do canal, o viajante também ter uma página no Facebook. Quem quiser acompanhar as histórias do espanhol pode procurar por Javier Colorado tanto no Facebook como também no YouTube.

 


Foto: Manoel de Salvador

Diferente da viagem de bicicleta, na passagem pelo Amazonas  Javier e Manoel tiveram que aprender a conviver com outros fenômenos na natureza no qual ele desconheciam  totalmente, como por exemplo, as tempestades no rio, os banzeiros de grandes proporções e o forte calor - especialmente a umidade.  “A sorte que tínhamos muita água para nos refrescar, quando não estava mais aguentando, eu mergulhava no rio e com as roupas molhadas conseguia seguir viagem”, disse.

Além dos fenômenos naturais, os espanhóis se assustaram ao saber que há pessoas,  como ribeirinhos, vivendo em comunidades totalmentes isoladas, sem eletricidades e, muito menos, sem  comunicação. “São pessoas de coração maravilhosos que nos trataram com muito hospitalidade, e são totalmente agraciados pelo rio que os leva em abundância o alimento de cada dia”, completou.


Foto: Manoel de Salvador

Javier e Manoel iniciaram a viagem no rio Tiputini. De lá eles atravessaram o Parque Nacional  no Equador, Yasuní, local que marcou por conta das biodiversidades. Depois eles seguiram pelo rio Napo até à cidade de Iquitos, no Peru e depois foram para Letícia, localizado na Colômbia. Seguiram o rio Solimões até chegarem em Tabatinga (a 1.105 quilômetros de Manaus). A viagem seguiu até ao rumo de Tefé (a 525 quilômetros de Manaus), onde foram parados por policiais federais e os conduziram até Coari (a 368 quilômetros de Manaus), orientados a terem cuidados com os “piratas” (ladrões).

De Coari eles seguiram até Manaus, chegando aqui no último domingo (23). Hospedado em um hostel na avenida Ramos Ferreira, bem no centrão de Manaus, a melhor coisa pra ele foi poder apreciar a cerveja mais gelada que tomou durante esses 31 anos. “Comemorei meu aniversário de 31 anos na comunidade Amaturá, mas a comemoração foi mesmo quando provei a cerveja gelada de vocês”, comentou o espanhol.


Foto: Manoel de Salvador

Javier e Manoel também se apaixonaram pela comida amazônica, principalmente pelo peixe pirapitinga. “Em todas as comunidades possíveis e impossíveis que passamos a noite, ou alguma parada sempre nos ofereciam pirapitinga. Que peixe delicioso. Muito gostoso, muito saboroso, vocês são sortudos”, disse.

Com o retorno para Madrid, Javier disse que tem outra aventura em mente, mas primeiro ele quer curtir um pouco a família, matar a saudade dos pais, irmãs e sobrinhos e sobrinhas. “Amo a minha casa, mas sou apaixonado por essas aventuras, tenho algumas ideias em mente, mas não posso revelar nada agora e pretendo logo retornar a amazônia”, completou.

Publicidade
Publicidade