Domingo, 13 de Outubro de 2019
Manaus

Especialistas alertam sobre peso em mochilas de crianças na volta às aulas em Manaus

Peso não deve ultrapassar 10% do peso da criança, alertam profissionais. Doenças como hiperlordose lombar e escoliose são decorrentes de má postura



1.jpg Arthur já sofreu de dores na coluna por conta do excesso de peso na mochila
30/01/2015 às 19:44

Com apenas cinco anos e ansioso para a volta às aulas, o pequeno Arthur já se prepara para andar quase 10 minutos para chegar até a escola, no bairro São Raimundo, Zona Oeste. A mãe, Roseana Simões, 34, preocupada com o peso que ele pode carregar, optou por uma mochila com rodinhas. “É muita coisa pra ele carregar e o carrinho vai ajudar muito todos os dias. Ele já levava muitos livros e, no ano passado, sofreu muito com a questão do peso. Até eu mesma não conseguia carregar”, conta.

O risco à saúde é um problema alertado por especialistas todos os anos no início do período letivo, e o consenso entre eles aponta que o peso da mochila não deve ser superior a 10% do peso da criança. No caso de João Gabriel, de 10 anos, a reportagem pesou a quantidade de materiais que ele levará para a escola todos os dias na mochila. O resultado foi 5 kg de livros, cadernos, canetas e lápis, 16% dos 31 kg de João Gabriel, bem acima dos 6% aconselhados pelos médicos.

Lilia Monteiro, 38, tia de João Gabriel e mãe de Lívia, de 7 anos, é gestora de uma escola municipal na Zona Leste. Ela conta que toma medidas simples para evitar futuros problemas de saúde da filha devido ao peso da mochila. “Verifico todos os dias a bolsa da minha filha pra ela não carregar muito peso e ela sempre usa bolsa de carrinho. Também não deixo que ela carregue até a escola, pois prejudica mesmo a coluna, eu mesma já sofri do problema e sei que é perigoso”.

Crianças devem redobrar os cuidados no início do ano letivo (Foto: Márcio Silva)

Peso excessivo

A coordenadora do curso de Educação Física da Faculdade Estácio Literatus, Cintia Melo, afirma que os problemas causados pelo peso excessivo nas mochilas podem não surgir de imediato, levando a desvios posturais, tais como: hiperlordose lombar e escoliose. Ela lembra que dores nos ombros e de cabeça podem ser sinais de problemas relacionados ao transporte da mochila. “Algumas dores devem servir de alerta para os pais verificarem a origem do problema, que pode estar sendo causado pela quantidade de material e a forma como as crianças e adolescentes o transportam”, disse Cintia Melo.

De acordo com Cintia Melo, outra forma de evitar os problemas posturais causados pelo excesso de peso nas mochilas é cada escola realizar, por meio dos profissionais de Educação Física, um trabalho de orientação e prevenção. Esse trabalho deve ser também estendido à postura correta a ser adotada pelas crianças e adolescentes ao sentarem para assistir às aulas.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.