Publicidade
Manaus
PREVENÇÃO

Especialistas ressaltam a importância da vacinação contra epidemias

Coordenadora estadual do Programa de Imunização da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS-AM) faz alerta 10/06/2017 às 05:00 - Atualizado em 11/06/2017 às 18:11
Show vacina  o0555
Vacinação é a melhor forma de prevenção contra, pelo menos, 19 doenças. Foto: Euzivaldo Queiroz
Silane Souza Manaus

A vacinação foi responsável pela erradicação da poliomielite (paralisia infantil) e pelo controle da rubéola e do sarampo, no Amazonas. Para que essas e outras doenças continuem sem apavorar a população, é importante que a mesma se previna, tomando as vacinas disponibilizadas pelo Sistema Único de Saúde (SUS). O alerta foi feito pela coordenadora estadual do Programa de Imunização da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS-AM), Isabel Nascimento, no Dia Nacional da Imunização, comemorado ontem.

De acordo com ela, ao todo, são 19 vacinas que protegem contra 19 tipos de doença em diferentes combinações. Elas atendem crianças, adolescentes, adultos, idosos, gestantes e povos indígenas e são enviadas pelo Ministério da Saúde, sem ônus para o Estado. “As vacinas são oferecidas em todas as unidades de saúde de cada município, diariamente, durante todo o ano. A importância delas é evitar que pessoas venham a adoecer ou morrer por doenças imunopreveníveis”, enfatizou.

Este ano, o calendário vacinal foi ampliado e inclui outras faixas etárias, caso da vacina contra hepatite, que passou a ser disponibilizada para crianças de até 5 anos de idade. Antes, a idade máxima era até 2 anos.

A tetra viral, que protege contra o sarampo, caxumba, rubéola e varicela, também foi outra a sofrer ampliação da oferta, passando a ser administrada para crianças de 15 meses até quatro anos de idade, e não mais para a faixa etária de 15 meses a menores de dois anos de idade.

Também estão nessa lista as vacinas contra o HPV, que passou a ser oferecida para meninos; a meningocócica C (conjugada) ofertada para adolescentes de 12 a 13 anos e cuja faixa-etária será ampliada, gradativamente, até 2020; e a dTpa adulto (vacina adsorvida difteria, tétano e pertussis – acelular), que passou a ser recomendada para as gestantes a partir da 20ª semana de gestação ou no período puerpério (de 6 a 8 semanas pós-parto), caso não for vacinada durante a gestação.

Prevenção
A imunização protege não somente a pessoa que toma a vacina, mas toda a comunidade, porque reduz as possibilidades de surtos e epidemias, de acordo com a médica Amanda Alecrim, diretora da Clínica Vacinar. Conforme ela, os dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) indicam que a vacinação evita cerca de dois milhões de mortes por ano, no mundo. “Quanto mais pessoas estão imunizadas, maiores as chances de uma proteção coletiva contra as doenças”, frisou.

Todas as  idades
A médica Amanda Alecrim lembra que o calendário de vacinação, que normalmente é seguido com maior rigidez durante a infância, deve ser observado em todas as idades. “Existem vacinas indicadas para as várias faixas etárias, é importante manter-se imunizado”, alertou.

R$ 3,9 bi - é o montante que o Ministério da Saúde investe anualmente na compra de 300 milhões de doses de vacinas para proteger contra 20 tipos de diferentes de doenças.

Publicidade
Publicidade